Saúde intestinal merece atenção

As principais causas são a doença de Crohn e a Retocolite Ulcerativa

Por
· 3 min de leitura
Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação
Foto: Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

O intestino é o órgão do corpo humano que possui uma grande capacidade absortiva, ou seja, vai retirar da nossa alimentação a água, sais minerais, eletrólitos e nutrientes, que são fundamentais para o funcionamento de todas as células e órgãos do nosso corpo, sendo assim, um órgão de vital importância no nosso bem-estar e que precisa de atenção e cuidados. Maio é o mês que evidencia e alerta sobre as doenças inflamatórias intestinais que acometem mais de 5 milhões de pessoas no mundo. As principais causas são a doença de Crohn e a Retocolite Ulcerativa. Por isso, a Sociedade Brasileira de Coloprotoclogia realiza campanhas para ressaltar a importância do diagnóstico, tratamento e acompanhamento da doença, já que elas não têm cura.

O médico integrante do Corpo Clínico do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), de Passo Fundo e preceptor da Residência Médica em Gastroenterologia da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) e HSVP, Dr. Kalil Fontana explica que as doenças inflamatórias intestinais são um grupo de doenças que acometem o aparelho digestivo, causando uma inflamação crônica, de intensidade variada. Basicamente, elas se dividem em dois grupos, a doença de Crohn e a Retocolite Ulcerativa. Na doença de Crohn, o especialista explica que, ela acomete todo o sistema digestivo, desde a boca até o ânus, e tem como uma característica ser penetrante, ou seja, ela não fica restrita a camada mucosa, mais superficial dos órgãos, ela tende a se aprofundar e eventualmente, até perfurar o órgão em determinadas situações. “Já a Retocolite Ulcerativa é uma doença que acomete exclusivamente o intestino grosso com intensidades variadas. Pode atingir pequenos segmentos do intestino grosso até em situações mais severas, o acometimento de todo o intestino grosso”, descreve Fontana.

Sobre os sinais e sintomas destas doenças, o Gastroenterologista ressalta que geralmente são, dor abdominal crônica, diarréia, principalmente se for no período noturno e também persistente, por mais de uma semana, que pode estar associada com sangramento nas fezes, além de febre e emagrecimento. “O diagnóstico das doenças inflamatórias intestinais, basicamente, se dá através da montagem de um quebra-cabeça. Não há um exame específico que diagnostica por exemplo, a doença de Crohn, nós temos que nos basear muito na apresentação clínica do paciente, nos exames, como a colonoscopia, biópsia, um bom exame físico e a partir disso, fizemos o diagnóstico”, evidencia Fontana, complementando que o diagnóstico precoce e adequado da doença, vai dar ao paciente uma melhor qualidade de vida e controle dos sintomas.

As doenças inflamatórias em geral podem ter vários cenários, por isso, o médico salienta que elas têm momentos de agudização e cursos de remissão espontânea. “Se não tratada, a inflamação se perpetua no aparelho digestivo, podendo causar perda de função do órgão, necessidade de cirurgia, pode acarretar em aumento na incidência de câncer no aparelho digestivo”.

Boa saúde do intestino

 Como em sua maioria, as doenças inflamatórias intestinais são imunomediadas, crônicas e não há uma forma de prevenção, porém é importante sempre atentar para o acompanhamento da doença, ou mesmo, quem não as tem, para uma boa saúde do intestino. “Medidas simples são fundamentais como, o consumo de água de em média dois litros por dia, consumo de líquidos mesmo em épocas de frio, ingesta de fibras alimentares que, estimulam a produção de crescimento de boas bactérias do aparelho digestivo, alimentação rica em frutas e legumes e a redução do consumo de gordura de origem animal, prática de exercícios, uma vez que exercício faz com que haja liberação de hormônios intestinais que favorecem a sua adequada a função, e ainda, evitar o uso de duas classes de medicamentos que causam impacto no aparelho digestivo que são, os antibióticos, que devem ser usados somente sob prescrição médica, e uso de anti-inflamatórios”. 


Gostou? Compartilhe