Comunidade pede solução emergencial para ruas

Parte das vias no Schisler está cheia de buracos e valas. Preocupação aumenta com a chegada do outono e das chuvas

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Moradores de algumas ruas do Loteamento Professor Schisler reivindicam ao Poder Público que realize reparos, nem que sejam emergenciais, nas vias mais problemáticas do bairro e de difícil trafegabilidade. O presidente da associação de moradores do bairro, Beto Spinelli, afirma  que algumas ruas estão intransitáveis, não havendo como andar nas valetas e buracos com qualquer tipo de carro. Ele lembra que há poucos dias um rapaz se acidentou de moto, pois estava chovendo e ele não viu o buraco na rua. No dia 1º de março, uma viatura da Brigada Militar atolou em outro buraco na Avenida Esteio, que liga o Loteamento Schisler com a Vila Ipiranga.  “Nós reconhecemos o que a Prefeitura tem feito de positivo para o loteamento, como a escola infantil que será construída e a inclusão da comunidade no Território da Paz. Mas o que está ruim, como é o caso das ruas, está péssimo”, ressaltou. Ele ainda disse que uma solução provisória, como patrolamento e colocação de britas, já amenizaria a situação.

Segundo Spinelli, aproximadamente 20 ruas estão em condições precárias, entre elas as ruas Amadeu Durgante, Alôncio de Carmago, José J. Gallas, Nilo Zimmerman, Butiá e Jorge dos Santos. Apenas cerca de 20% do bairro conta com pavimentação de asfalto. Ele também ressalta que a falta de pavimentação na Alôncio de Carmago atrapalha a passagem do coletivo urbano e também ocasiona alagamentos nas residências em dias de chuva.

A maior preocupação é com a chegada do outono e posteriormente o inverno, onde as chuvas são mais constantes. Na atual situação das vias, ficaria ainda mais difícil a movimentação. O auxiliar administrativo, Christopher Marques, precisa dar uma volta imensa volta para conseguir chegar a sua residência. A situação piora bastante quando o clima não dá trégua. “Pegar vários dias de chuva, com todo aquele barro, e precisar chegar casa é bem complicado. Sentimo-nos um pouco humilhados, pensamos o que fizemos para não merecermos a atenção dos governantes do município” desabafou. Ele ainda explica que os moradores que moram nos lugares mais baixos seguidamente sofrem por causa dos alagamentos, por causa do córrego que corta o bairro.

A notícia completa na edição impressa  e  digital do Jornal O Nacional.  Assine já! www.onacional.com.br/assinaturas.

Agora também disponível para iPad e iPhone. Acesse a App Store e baixe o aplicativo grátis

Gostou? Compartilhe