OPINIÃO

Inusitado ou nova regra?

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Inusitado ou nova regra?
Sem dúvida, muito além de um suspiro de justiça  (punição) também para os poderosos, o julgamento do Supremo, condenando gente ilustre por crimes praticados  na  vida pública pode ser o novo paradigma. Que assim seja! O fato de termos condenações inéditas não pode ser lançado na história como momento único e inusitado. O ministro Joaquim Barbosa traduziu  de certa  forma esta  expectativa  ao dizer  que o crime organizado não é só nos morros onde os grupos se organizam  para pegar  em armas. O crime contra o patrimônio púbico  também é praticado por grupos organizados. Sem querer  justificar o envolvimento de segmento do PT para obter a maioria de votos no Congresso, é bom lembrarmos que os golpes organizados são velhos e  sempre se  renovam, com autores diversos. Se o julgamento pode ser considerado vitória da mídia, é urgente assumimos que precisamos, com a mesma urgência,  de  novas vitórias, sobre roubos abomináveis que continuam ocorrendo. O combate não pode parar, já que nunca antes, neste país, se puniu gente grande. É uma guerra. Errados estão os que miraram somente contra o PT. Tem muita  gente agindo folgada no país enquanto a  tendência é destilar  ódio  contra uma sigla. No caso, condenar é fazer justiça (humana), é democracia.

Pequena  redução
Desejar permanentemente a  ruína  dos bancos é senso comum irresponsável. Precisamos de instituições  bancárias fortes e sérias.  Por isso, a redução pequena nos lucros nos bilhões  do Itau e Bradesco não pode ser desenhada como frustração.  Como dizem os  comentários, com a  redução nos juros e o estreitamento das margens  de ganho na intermediação  financeira,  chamado  também de spread bancário, a  rentabilidade do setor deverá recuar para patamares mais comedidos, nos próximos anos.  O aperto da competição recente por créditos mais justos obrigou os bancos a caprichar nas  garantias, preferindo empréstimos  consignados ou garantia imobiliária. Desculpem a óbvia conclusão, mas  com o dinheiro a escolha é mais fácil. Então, nada  de tristeza como alguns alarmam. Nem será preciso imaginar uma próxima  campanha da  Fraternidade, tipo “Ajude Um Irmão Banco”!  Menos, né!

Água
No final  de  semana tive a oportunidade de ouvir entrevista com Guilherme Arantes, um conseqüente e imortal da literatura musical. Na  sua missão de gênio útil, uma das maiores criações de  comunicação e arte: Planeta Água.

* Direto: acusam os envolvidos no mensalão por traficarem dinheiro sujo; o mesmo tribunal,  em seguida,  condena por lavagem! Então, não adiante lavá?
* Hoje é dia de um grande amor. Ah, se o outubro falasse! Traz lembranças de amores que ficaram muito maiores depois que terminaram.
* O pregão  eletrônico  vem sendo anunciado para o próximo ano em vários setores públicos como retumbante novidade nas licitações. Em Passo Fundo vem funcionando há vários anos no Governo Dipp/Cecconello.
* Hoje é  dia  de encontro dos  confrades  da Mesa Um do Oasis que  comemora 30 anos de estabelecimento de Jesus Castanho. O próprio bar é mais que cinqüentenário. A  recepção será no Lazaretti, oferecida pelo Bar Oasis, uma espécie de ONG mantenedora da Mesa Um. É a primeira  reunião após resultados das eleições municipais.
* A escolha do mestre José Ernani de Almeida para a pasta da Cultura da próxima  administração municipal tem razões para repercutir muito bem!
* É o que há  de mais certo neste país: bancos ganham sempre. E a transparência sobre custos do usuário consumidor, vai melhorar?
* As pessoas precisam se ajudar um pouco. Durante dezenas  de anos muitos vivem sem esgoto, o que é doloroso. No primeiro incômodo com a  vala aberta para  a canalização uivam descontentes, como se não pudessem esperar um pouco para conclusão da obra! No funcionamento dos contêineres também. Converse com os vizinhos sobre o uso do sistema seletivo da coleta, em vez  de largar lixo misturado ou largar a tampa com força até  se esborrachar.

Gostou? Compartilhe