Quem é o Papai Noel?

Foca no Jornal - texto produzido por alunos do curso de Jornalismo da UPF.

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Quem nunca passou a madrugada acordado esperando por ele? Ou, pelo menos, ficou ansioso pelo dia 25 de dezembro, tentando adivinhar o que teria embaixo do pinheirinho? O Papai Noel, que alegra o Natal de crianças há muitos anos, é uma das figuras mais queridas no mundo todo. O Nexjor conversou com um dos muitos Papais Noéis espalhados pelo mundo. Nosso entrevistado se chama Milton Issler Goelzer, tem 82 anos, e trabalha desde 1991 como Papai Noel.

 

Nexjor – Como começou o trabalho como Papai Noel?

Papai Noel – Eu comecei só de brincadeira, em casa, na casa dos amigos. Naquela época eu usava barba postiça, mas depois eu comecei a trabalhar, cobrando e arrumando um dinheirinho e notei que, com a barba natural tinha mais vantagem financeira; então, há 10 anos eu comecei a deixar a barba crescer.

 

Nexjor – Como foi a primeira vez que você se vestiu de Papai Noel?

Papai Noel – Na primeira vez que eu fui Papai Noel, eu tinha 2 netinhos pequenos que moravam comigo e eles sabiam que eu seria o Papai Noel. E, quando eles me enxergaram, tremiam de medo. Eu trabalhava como funcionário do estado, no DAER; então, nós reuníamos os amigos no Natal, 5, 6, 10 famílias e fazíamos a festa.

 

Nexjor – Você recebe muitos pedidos estranhos?

Papai Noel – É uma infinidade de pedidos estranhos; ontem mesmo um menino me pediu um cavalo. Alguns dias atrás, uma menina me pediu uma tartaruga. Conversando com ela, eu perguntei: ‘Mas onde eu vou arrumar uma tartaruga de verdade?’ E ela respondeu: ‘Te vira Papai Noel’. Ontem uma senhora de idade me disse: ‘Pelo amor de Deus, traz meu namorado de volta, Papai Noel’.

 

Nexjor – Você trabalha como Papai Noel há bastante tempo. Nesse período, notou muitas mudanças nas crianças?

Papai Noel – Ah, há um tempo tu pegavas um carrinho de madeira e eles ficavam felizes. Hoje, eles querem computador, telefone celular. Há coisas com nome americano que eu não sei o que é e às vezes nem os pais sabem. As meninas acreditam mais e respeitam mais. A piazada já é mais medonha; então, eles chegam e perguntam: ‘Onde você mora?’ ‘Como é o seu nome?’ ‘Você não é o Papai Noel’. Tem vários Papais Noéis que têm a barba postiça, e eles, para se certificarem que é verdadeira, vão ali e puxam.

 

Nexjor – É muito cansativo? A roupa não é desconfortável com todo esse calor?

Papai Noel – A minha roupa é de seda, mas, mesmo assim, esquenta um pouco e tem o gorro também. Eu sempre disse que a pessoa tem que gostar do que faz. E eu adoro ser Papai Noel. A idade pesa, mas o prazer de estar junto com as crianças é maior.

 

Nexjor – O que é ser Papai Noel para o senhor?

Papai Noel – Uma das coisas que eu adoro fazer é ser Papai Noel, pelo prazer de estar com as pessoas. Às vezes tem pessoas de idade que chegam para falar comigo, pessoas com deficiência física. Ontem veio uma criancinha que não tinha 30 dias para tirar fotos, uma coisinha linda. Tudo isso é uma alegria para mim, é muito gratificante.

Gostou? Compartilhe