Chefe da Secretaria Especial de Saúde Indígena é exonerado

Procurado na sede do Sesai, a reportagem foi informada que Evaldo Eikoff estava viajando.

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Atendendo solicitação do Ministério Público Federal, o Distrito Sanitário Especial Índigena (DSEI) exonerou o chefe do órgão, em Passo Fundo, Evaldo Eikoff. Ele é acusado de crime de peculato e improbidade administrativa. O documento assinado pela procuradora da República Cinthia Gabriela Borges é resultado de investigação criminal conduzida pelo MPF Passo Fundo para apurar irregularidades no recebimento de diárias por Eikoff.

 

De acordo com as investigações, ele solicitou e recebeu diárias para viagens sem deslocar-se ao local informado. Os próprios formulários foram preenchidos com informações falsas, atestando com relatórios fraudulentos as supostas viagens. Segundo a investigação, “ficou demonstrado que fez de forma reiterada e com o intuito de incrementar indevidamente sua renda”.


Após o caso, O MPF também solicitou que DSEI Interior Sul passe a adotar outro sistema para controle de autorização de diárias, em especial para pedidos com acima de três diárias. A medida é para evitar a repetição do crime. O Ministério Público havia estabelecido prazo de 20 dias para o DSEI Interior Sul apresentar informações em relação às providências adotadas.

 

Procurado na sede do Sesai, a reportagem foi informada que Evaldo Eikoff estava viajando.

Gostou? Compartilhe