OPINIÃO

Fatos 25.06.2019

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Municípios sugados
Enquanto os municípios tiverem que arcar com despesas básicas sem receber a contrapartida da União, como uma divisão mais justa do bolo arrecadatório, o malabarismo com o orçamento será permanente na vida dos gestores municipais. Na área de assistência social e saúde de Passo Fundo, por exemplo, ano após ano cresce o comprometimento de recurso com a judicialização de internações e medicamentos. Para se ter ideia do tamanho do gasto, em 2013, o município de Passo Fundo desembolsou R$ 197 mil com internações compulsórias de idosos em Instituições de Longa Permanência. Em 2019, este valor saltou para R$ 259 mil. Se acrescidos os medicamentos que o município é obrigado a dar por meio judicial, o valor vai para R$ 742,5 mil. No ano passado, o município licitou R$ 4,1 milhões para a compra de medicamentos. Deste total R$ 1,6 milhão foram para cumprir ordem judicial. Neste ano, já foram licitados R$ 1,9 milhão só por conta da judicialização, mas o valor deve ser bem maior até fechar o ano. O pacto federativo urgente é urgente, urgentíssimo.

 

Visita ao HMCS
Beto Albuquerque esteve em Passo Fundo há poucos dias e acompanhou o prefeito Luciano Azevedo numa visita as obras de reforma e ampliação do Hospital Municipal Cesar Santos. Ainda quando deputado federal destinou emenda de R$ 3,5 milhões para a obra que está dentro do cronograma e até metade do ano que vem estará pronta e à disposição da comunidade.

 

Economia burra
O IBGE reduziu o número de perguntas do Censo 2020. Estão fora da lista as perguntas sobre gastos com aluguel, renda e posses de bens. A quem interessa não saber sobre informações tão importantes como estas? Lembrando que é em cima do resultado do censo que os governos montam seus projetos de políticas públicas. Sem informações não há projetos, simples assim.

 

Conselho
Ministro da Justiça Sérgio Moro não deve ir à Câmara dos Deputados. Foi aconselhado a não colocar mais lenha na fogueira, pelo menos por enquanto. A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou justificou que a presença do ministro da "vai ser mais do mesmo porque ele já respondeu a tudo".

 

Ação e reação
O mal nunca compensa em lugar nenhum e em nenhuma situação. É a lei da vida.

Gostou? Compartilhe