Ministério Público e UPF lançam campanha de tutela responsável de animais

A iniciativa vem ao encontro da necessidade de informar a comunidade geral sobre as responsabilidades dispensadas no momento da adoção ou compra dos bichanos

Por
· 1 min de leitura
Segundo a Promotoria de Justiça Especializada, o abandono é caracterizado como crime de conduta e desumanidadeSegundo a Promotoria de Justiça Especializada, o abandono é caracterizado como crime de conduta e desumanidade
Segundo a Promotoria de Justiça Especializada, o abandono é caracterizado como crime de conduta e desumanidade
Você prefere ouvir essa matéria?

Em uma ação conjunta entre o Ministério Público e a Universidade de Passo Fundo (UPF), a campanha de tutela responsável “Todo pet merece carinho” foi tornada pública na terça-feira (25) para alertar sobre o abandono e cuidados necessários aos animais domésticos e de produção, como equinos e animais silvetres. 

 

A iniciativa vem ao encontro da necessidade de informar a comunidade geral sobre as responsabilidades dispensadas no momento da adoção ou compra dos bichanos. Tratado como ordem de saúde pública, o abandono de animais, conforme dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), atingiu o índice de 20 milhões de cachorros e 10 milhões de gatos em situação de rua. O número de animais domésticos abandonados, em Passo Fundo, também é expressivo. Segundo a Associação Municipal de Proteção aos Animais em Risco ou Abandonados (AMPARA), apenas no início deste ano, cerca de 40 mil pets foram rejeitados pelos tutores no município.


Propositor da campanha e diretor da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da UPF (FAMV), o professor Dr. Eraldo Zanella, enfatizou que o objetivo é levar conhecimento sobre as necessidades dos animais, sejam eles de produção, estimação ou silvestres. “Precisamos saber das necessidades dos animais, oferecer o mínimo possível dentro das cinco liberdades”, comenta ele, citando que o bem-estar animal compreende estar livre de fome e sede; de desconforto; de dor, doença e injúria; ter liberdade para expressar os comportamentos naturais da espécie; e estar livre de medo e de estresse.


A campanha, liderada pela UPF, se deu a partir de um encontro com o promotor Paulo da Silva Cirne, da Promotoria de Justiça Especializada de Passo Fundo, que discorreu sobre a problemática. “Questões envolvendo fauna são de extrema preocupação para a promotoria. Temos problemas com animais domésticos, uma grande quantidade de animais abandonados, em um contexto no qual os tutores não têm a mínima responsabilidade”, disse ele, apontando que atos de abandono são caracterizados como crime e conduta de desumanidade. “Temos muitos cães abandonados em Passo Fundo. Além disso, temos problemas de maus tratos com equinos e animais silvestres em cativeiros e caçados impiedosamente”, afirmou. 

Gostou? Compartilhe