OPINIÃO

Fatos 21.08.2019

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Bancando a consulta

A consulta popular deste ano sofreu um corte radical de recursos. Passou dos R$ 80 milhões no governo passado para R$ 20 milhões, que divididos entre os 28 Coredes, resulta na distribuição de R$ 714 mil para cada região. Um valor simbólico. Dentre as mudanças do processo, as escolhas dos projetos deverão focar o desenvolvimento regional e áreas como saúde, educação e segurança estão fora das escolhas, porque já possuem orçamento definido. Mas, o Fórum dos Coredes, presidido pela presidente do Corede da Produção, Munira Awad, decidiu bancar o a consulta de 2019 para não interromper um projeto de Estado que dura 20 anos e foi premiado pela ONU. Segundo Munira, a ideia é passar este ano de aperto e voltar em 2020 com o mesmo valor de 2018. “A consulta popular não pode parar”. Até este mês de agosto, o governo já pagou R$ 70 milhões aos projetos aprovados pelos Coredes do ano passado. O Corede da Produção realiza hoje a sua assembléia ampliada, devendo escolher três projetos que devem ser direcionados a agricultura familiar. Como o recurso é pequeno, os projetos serão voltados a compras de materiais ou algum equipamento. A votação será realizada nos dias 4, 5 e 6 de setembro pela internet.

Quórum

Passo Fundo tem ficado de fora das verbas da consulta popular por baixo quórum nas votações. No ano passado um trabalho intenso foi feito pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento que conseguiu alcançar um índice superior a 5%, mas inferior aos 6% do total de eleitores exigidos pelas regras da Consulta. Neste ano, a tentativa de buscar quórum continua e a maior finalidade é demonstrar interesse e não perder uma conquista de participação popular que é da sociedade. 

Estratégias

O presidente do Comude, Roberto Ariotti, disse que o conselho fará o possível para mobilizar a população acerca da importância da participação. Depois da assembléia de hoje, o Comude deverá se reunir para definir estratégias.

Onde você quiser!

A Universidade de Passo Fundo, lança na quinta-feira a Escola de Extensão. Objetivo: aproximar ainda mais a UPF da comunidade regional, oferecendo cursos rápidos e práticos que contribuem para formação e a atualização profissional.  Os cursos são das mais diferentes áreas do conhecimento e poderão ser: presencial, semipresencial, à distância ou in company, sendo oferecidos em Passo Fundo e nos campi, nos dias e horários que facilitar o acesso do publico. O vice-reitor de Extensão e Assuntos Comunitários, Rogério Silva, destaca a qualidade e a credibilidade da UPF e, por essas razões, a instituição busca cada vez mais se conectar com outras forças da comunidade, sejam elas públicas como privadas. Mais de 20 cursos, já fazem parte do portfólio inicial da Escola de Extensão.

Rufa pré-cadidato

O vereador Rufa Soldá oficializou ontem ao presidente municipal do PP, Pedro Thomas, a disposição de concorrer a prefeito em 2020. O Progressista agora tem três nomes na disputa interna para assumir, por enquanto, a pré-candidatura. Rodinei Candeia, Sidnei Ávila e o vereador Rufa. A escolha do pré-candidato vai acontecer no dia 30 de agosto, em pré-convenção marcada para às 19h, na sede do partido. Segundo Thomas, o diretório, com 78 membros, é soberano para escolher o nome que também assumirá o papel de buscar alianças e negociar com outros partidos nessa fase do processo. No entanto, disse, nada impede que outro nome surja até a convenção, que acontece no próximo ano.

Venezuelanos

O Cel. do Exército Souza Coelho, Chefe da Interiorização da Força Tarefa Logística Humanitária no Brasil, se reúne nesta quarta-feira com representantes de entidades empresariais como Acisa, CDL, Sindilojas, Legislativo e Executivo para falar sobre a inserção de Venezuelanos no sul do Brasil. Passo Fundo já tem oito famílias morando na cidade com a ajuda de um grupo religioso e um grupo de trabalhadores que veio por intermédio da Bsbios. O encontro será às 11h na sede da Acisa.

 

Gostou? Compartilhe