OPINIÃO

Fatos 03.09.2019

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Progressista opta por Rufa

O vereador Rufa Soldá foi o escolhido dos Progressistas para assumir a condição de pré-candidato a prefeito para 2020. O nome dele foi submetido à votação na sexta-feira à noite durante pré-convenção do diretório municipal. Num colégio de 58 votos, Rufa recebeu 33 e Rodinei Candeia, 25. O ex-vereador Sidnei Ávila, que também participaria do processo retirou o nome da disputa. A participação do processo interno, que ainda depende da convenção do próximo ano, se deu há pouco mais de 10 dias. Rufa foi chamado pelo partido a se posicionar entre Candeia e Ávila, que até então, estavam na disputa. Como ele preferiu não fazer a escolha, colocou-se à disposição do partido.  “Agora vamos conversar com a executiva do partido, para saber quais são os próximos passos, se manteremos a candidatura ou iremos coligar com outro partido”, disse. Rufa foi eleito em 2012 pelo MDB, com 3.024 votos. Foi a maior votação de um vereador na história da Câmara. Foi uma surpresa porque até então, era conhecido por assessorar outros vereadores, como Jaime Debastiani (in memorian) ex-PFL, e Márcio Tassi, PTB. Na janela partidária, ele deixou o MDB e ingressou no PP, reelegendo-se para o segundo mandato com 2.172 votos. Sem Rufa na disputa da Câmara, o PP perde o seu puxador de votos e arrisca ficar sem bancada. A menos que tenha uma carta na manga. 

PP dividido

A colocação de outros nomes para disputar internamente a condição de pré-candidato com Rodinei Candeia, só demonstra que os Progressistas caminham divididos em Passo Fundo. Depois do desempenho que teve como candidato a deputado federal, Candeia tinha como natural a sua indicação para uma eventual disputa a prefeito. Mas, não foi o que aconteceu. O próprio Candeia, em recente conversa com a colunista, disse que o partido em Passo Fundo precisaria traçar metas e se unir em torno de um objetivo, sem o qual não iria a lugar algum.

Especulação

O Procurador Geral do Município, Adolfo Freitas, filiado ao PSB, tem sido lembrando com freqüência nas rodas de conversas sobre política e sucessão municipal. Possui alguns dos atributos que formam um conjunto de critérios estabelecido pelo prefeito Luciano Azevedo para a escolha do nome que vai ser o candidato em 2020. Mas, por enquanto, só especulações.

Escolha do diretório

Eleição do diretório municipal do PT tem três chapas, mas só duas apresentaram candidato a presidente. Disputam Áureo Mesquita de Almeida e Julio Cesar Gonçalves. No sábado, os dois apresentaram suas plataformas para comandar o partido, mas a eleição acontece somente no domingo, dia 8. No mesmo dia serão eleitos os delegados que participarão do Congresso Nacional do PT, nos dias 22, 23 e 24 de novembro.

Cortes I

O governo anunciou o corte de mais 5.613 bolsas de pós-graduação que seriam ofertadas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) a partir de setembro. O congelamento, que passa a vigorar a partir deste mês, soma-se a outras 6.198 bolsas que haviam sido bloqueadas no primeiro semestre de 2019. Ao todo, isso corresponde a 5,57% do total de vagas ofertadas pelo sistema neste ano. O bloqueio é reflexo da redução do orçamento da instituição.

Cortes II

A proposta orçamentária para 2020 reduz em 18% os recursos totais do Ministério da Educação, em relação aos valores autorizados de 2019. As reduções vão da educação básica à pós-graduação, mas o impacto será muito maior no financiamento de pesquisas e nas contas de grandes universidades federais. É dramático. 

Gostou? Compartilhe