Famílias reconstroem casas na Vila Isabel

Moradores ainda precisam de doações de materiais de construção para cobrir residências

Por
· 2 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?

Duas semanas após o incêndio que destruiu quatro casas na Vila Isabel, em Passo Fundo, o cenário é de recomeço no local. Parte da estrutura das casas, três de madeira e uma de tijolos, já está de pé. Isso graças às doações da comunidade e ao mutirão formado por vizinhos, familiares e moradores cujas residências foram atingidas pelo fogo.


Paulo Juliano da Luz, morador da casa onde o fogo começou, pregava as madeiras de seu novo lar na tarde de segunda-feira. Desta vez, a residência será um pouco menor, de 5,5 x 7,5 metros. A anterior era de 5,5 x 15 metros. A expectativa dele e dos demais é se mudar o quanto antes. “O incêndio foi no dia 25 do mês passado. No dia 25 desse mês, se não estiver tudo pronto, pelo menos queremos que esteja o mais encaminhado possível”, afirma. Instalados provisoriamente em casas de familiares, vizinhos ou em uma igreja da comunidade, a ansiedade para a mudança toma conta. “Chega de noite, agora a gente já dorme tranquilo né, mas não vê a hora de estar dentro da nossa casa”, confessa o homem, cuja fé religiosa expressa constantemente por meio de citações bíblicas ao longo da entrevista.


Atribui a uma força divina o fato de que ninguém da sua família ter se machucado naquele domingo. Com a casa já em chamas, ele conseguiu entrar no quarto para salvar os documentos. Naquele dia, o vento logo alastrou o fogo para a casa de Jéssica Maria de Carvalho Rosbach, que morava no local com o marido e o filho de sete meses. Ela também pensou em salvar os documentos, mas não teve tempo porque o local já havia sido consumido pelas chamas.


A casa de Jéssica também está em estágio avançado. No momento, faltam materiais para o telhado e para o chão em todas as residências. Ela conta os dias para a mudança. Hospedada na casa de familiares, tem receio de estar causando incômodo. “Não é a casa da gente, incomoda os outros né. A gente tem uma rotina. O nenê, por exemplo, acorda cedo e começa a chorar. Os outros querem dormir até mais tarde, então acaba incomodando”, justifica.


Os dias chuvosos da última semana atrasaram as obras de reconstrução, conforme os voluntários. Na primeira semana após o ocorrido, foi feita a remoção das cinzas. A Secretaria de Obras foi ao local para colocar pedras no solo emparelhar o terreno.


Relembre
O incêndio foi no início da tarde do último domingo de agosto, dia 25, em residências da Rua Lobo da Costa, Vila Isabel. Por volta das 12h50min uma de suas filhas de Paulo Juliano da Luz, uma menina de seis anos, foi até o quarto do irmão e logo retornou correndo para avisar que o cômodo estava pegando fogo. A família conseguiu escapar sem ferimentos. Pouco tempo depois, o fogo se espalhou e atingiu outras três residências. Todas as casas eram de madeira e ficavam em um mesmo terreno, dividido por familiares. A suspeita é de que o incêndio tenha iniciado por problemas na rede elétrica.


Os Bombeiros levaram cerca de duas horas para combater as chamas, com o auxílio de três caminhões tanques e 20 mil litros de água. Apesar dos estragos, ninguém ficou ferido. Segundo o Corpo de Bombeiros, o fogo também chegou a se espalhar ligeiramente para outros imóveis da vizinhança, atingindo especialmente o telhado de algumas casas, mas graças à rápida ação dos Bombeiros, as chamas foram contidas e maiores danos foram evitados.


Doações
Ao todo, 17 adultos e 15 crianças ficaram desabrigados depois de terem suas casas destruídas pelo fogo. As vítimas ainda precisam de doações de materiais de construção para finalizar as casas e de móveis diversos. Interessados em ajudar podem entrar em contato pelo número (54) 9 9182-3207 ou diretamente no local.

 

 

 

 

Gostou? Compartilhe