OPINIÃO

OCDE: Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

A Organização para a Cooperação Econômica Europeia (OEEC) foi criada em 1948 para administrar o Plano Marshall, financiado pelos EUA, para a reconstrução de um continente devastado pela guerra. Ao fazer governos individuais reconhecerem a interdependência de suas economias, abriu o caminho para uma nova era de cooperação que mudaria a face da Europa. Encorajados por seu sucesso e pela perspectiva de levar adiante seu trabalho em um cenário global, o Canadá e os EUA se juntaram aos membros da OEEC na assinatura da nova Convenção da OCDE em 14 de dezembro de 1960. Nasceu oficialmente a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). em 30 de setembro de 1961, quando a Convenção entrou em vigor.


Outros países aderiram, começando com o Japão em 1964. Hoje, 36 países membros da OCDE em todo o mundo se reúnem regularmente para identificar problemas, discutir e analisá-los e promover políticas para resolvê-los. O histórico é impressionante. Os EUA viram sua riqueza nacional quase triplicar nas cinco décadas desde a criação da OCDE, calculada em termos de produto interno bruto por cabeça de população. Outros países da OCDE tiveram progressos semelhantes e, em alguns casos, ainda mais espetaculares.


O mesmo acontece com países que, algumas décadas atrás, ainda eram apenas atores menores no cenário mundial. Brasil, Índia e República Popular da China emergiram como novos gigantes econômicos. Os três, com a Indonésia e a África do Sul, são Parceiros Chave da Organização e contribuem para seu trabalho de maneira sustentável e abrangente. Juntamente com eles, a OCDE reúne 39 países que representam 80% do comércio e investimento mundiais, dando-lhe um papel fundamental na abordagem dos desafios que a economia mundial enfrenta.


A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é uma organização internacional que trabalha para implementar melhores políticas para uma vida melhor. O objetivo é promover políticas públicas que promovam prosperidade, igualdade de oportunidades e bem-estar para todos. São quase 60 anos de experiência e conhecimento para preparar o mundo de amanhã.


Trabalhando em estreita colaboração com governos, atores econômicos e sociais e representantes da sociedade civil, estabelecemos padrões internacionais e fornecemos soluções baseadas em evidências para os desafios do mundo de hoje. Desde a melhoria do desempenho econômico à criação de empregos, da promoção de sistemas educacionais eficazes ao combate à evasão fiscal internacional, somos um fórum e um centro de conhecimento exclusivos. Disponibilizamos dados, análises e conselhos sobre políticas, facilitando o compartilhamento de experiências e boas práticas entre países e agentes de mudança.


Os 36 países membros que temos atualmente estão espalhados por todo o mundo, da América do Norte e do Sul à Europa e Ásia-Pacífico. Eles são representados por embaixadores, que fazem parte do Conselho da OCDE, que supervisiona e aconselha sobre o nosso trabalho, de acordo com a Convenção da OCDE. Eles colaboram com nossos especialistas e delegações de outros países, retransmitem nossos dados e análises e desempenham um papel fundamental em nossos programas de revisão de países para incentivar um melhor desempenho. A Comissão Europeia participa do trabalho, mas não tem direito a voto nem voz oficial na adoção das normas submetidas ao Conselho. 


Ser membro da OCDE é uma tarefa exigente. Os países devem estar prontos para se tornar membros, porque não se trata apenas de cumprir nossa missão e nossos valores, mas também de poder assumir as responsabilidades e os requisitos inerentes à qualidade do membro ativo. Para se tornar membro, um país pode ser um candidato ou ser convidado pelo Conselho da OCDE para abrir um processo de adesão. 


Um roteiro de associação é então desenvolvido, descrevendo os termos, condições e procedimentos para ingressar na OCDE. É realizada uma revisão técnica para avaliar as políticas e práticas do país em comparação com as melhores práticas nos países da OCDE, bem como sua capacidade de implementar os padrões da OCDE. Essa etapa geralmente leva a uma série de medidas que o país deve implantar para cumprir os requisitos da OCDE. Cada país deve ratificar a associação nacionalmente antes de se tornar um membro.

Gostou? Compartilhe