OPINIÃO

Ataque mórbido a Palmares

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Os reiterados ataques verbais do presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, são reflexos sórdidos de uma campanha de dilapidação das sagradas instituições brasileiras. Precisamos controlar a ira justa em relação ao personagem nefasto apresentado no cenário das políticas de governo. Ao vê-lo destilando impropérios não desperdiçaria o tempo e espaço, senão para imaginar que sua postura decorre de caráter deformado. Do seu expresso preconceito em relação à instituição Palmares e ao épico simbolismo atribuído a Zumbi, repudiamos o vurmo moral. Ao praticar afrontas, ocupando cargo de confiança do governo, parece bem mais um títere posto para corromper o sentido etiológico da causa resgatada pela fraternidade negra. A luta dos brasileiros descendentes de africanos é marcada por episódios cívicos de inatacável aspiração de liberdade e justiça. Em vez de enaltecer por orientação de política social e libertadora, vemos a deplorável campanha que degenera os princípios mínimos do respeito. O que nos aflige é o direcionamento ordenado a um servidor, pago com o dinheiro público, para desconstituir conquistas construídas com sangue e suor. Acontece que o sentido igualitário defendido pela causa da negritude é barreira para o despotismo e autocracia. Ao disparar a ofensa de que o movimento negro “é escória maldita”, o agente oficial pratica ato de blasfêmia contra a humanidade e os céus. Sua atitude representa a tentativa de vulgarização do sagrado na luta igualitária, como forma de raízes intocáveis e sublimes da humanidade. O objeto é enfraquecer fundamentos da democracia para instalar governo autocrático. O desrespeito recorra à escumalha do pensamento.

A violência

Por certo o movimento contra o racismo, nas suas mais diferentes formas apresenta-se envolvido num questionamento de consciência. Isso é bom, principalmente com a novidade: a adesão crescente da juventude. Por isso é preciso calma, como recomendou o Papa. Sem se omitir o Pontífice é incisivo ao alertar para a igualdade racial. E sem violência!

Disfarçada

Vemos muito no cotidiano a discriminação pela metade. Ou à meia boca! Com meias palavras ou meias atitudes. A propósito, o poeta a jornalista Jose Hernandez, há mais de um século (1872) advertia num de seus versos célebres: “Cuentan que de mi color/ Dios hizo al hombre primero;/ mas los blancos altaneros,/los mesmos que lo convidan,/ asta de nombrarlo olvidan/y solo le llaman negro”. A relação entre pessoas deve ser parelha, já que todos têm nome.

Morte de Floyd

As ruas de Londres também são ocupadas com protestos contra o racismo. A morte do norte-americano George Floyd, acendeu a chama da revoltante discriminação racial no mundo. Em meio à tensão pelo Covid-19, logicamente poderão advir conseqüências imprevisíveis. Em todos os movimentos de rua há infiltrados. O principal objeto, revolta contra racismo, merece reconhecimento.

Toma-lá...

Está ficando estranho ver a oposição criticar os pactos circunstanciais de Bolsonaro, envolvendo partidos do centrão. Não tem nada que patrulhar. A promessa de mudar para uma nova política, sabemos, foi meramente eleitoral. Nada de patrulhamento. Deixa rolar! Depois, mudou muito. Radical. Não é mais toma-lá-dá-cá. Agora é diferente: toma-cá-dá-lá! Viu? É diferente.

Agropecuária

Tem gente no próprio governo que detesta os disparates dos maluquinhos bolsonaristas brigando com a China. No momento o Brasil precisa concentrar esforços na exportação de alimentos. A China é nosso maior parceiro. Numa hora dessas é burrice ficar cutucando chinês.

Criança

É terrível a realidade sobre exploração sexual do menor no Brasil. Também as demais violações deixam o país em péssima situação. Violência contra a criança no ambiente familiar; aí temos um dos piores índices do planeta. Uma prática terrível é a exploração do menor para atender fins lucrativos, principalmente entre famílias de dependentes ou traficantes de drogas.

Gostou? Compartilhe