Duas empresas apresentam propostas para concessão da rodoviária

Documentos entregues pelas interessadas no certame ainda devem ser analisados pelo Daer. Não há prazo estabelecido para que o órgão apresente uma resposta

Por
· 3 min de leitura
Arquivo/ONArquivo/ON
Arquivo/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As propostas de licitação para concessão dos serviços da Estação Rodoviária de Passo Fundo foram abertas, nessa quinta-feira (13), pela Comissão Permanente de Licitações (CPL) do Governo do Estado. A pasta recebeu envelopes contendo os documentos de habilitação e as propostas técnicas de duas interessadas no certame: a Paim Bordignon e Ltda, empresa de Passo Fundo que detém a concessão da rodoviária desde 1954, e a Agiliza Comércio e Locação de Máquinas Ltda, de Sarzedo, Minas Gerais. 

De acordo com a Central de Licitações (Celic), vinculada à Secretaria do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), as propostas serão agora encaminhadas para análise do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), órgão responsável pela solicitação do certame. Não há prazo para a apresentação de uma resposta. “Assim que tiver a resposta do DAER, o resultado é publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) e tem início um prazo de recursos de cinco dias úteis (caso alguma empresa queira contestar o resultado). Se algum recurso for protocolado, tem um prazo de mais cinco dias úteis para o que eles chamam de contrarrazões e, depois, é feito o julgamento dos recursos”, esclareceu a assessoria.

Ainda conforme a Celic, caso a decisão inicial seja mantida, o processo é então encaminhado à Contadoria e Auditoria-Geral do Estado (CAGE) para análise. Se não houver ressalvas, o resultado do certame é homologado – também sem um prazo estipulado. Por fim, com a homologação, é publicada a súmula, que é encaminhada ao DAER e, a partir disso, permite a formalização da contratação da empresa vencedora.

O que estabelece o edital

Para definição da vencedora do processo de concessão da rodoviária de Passo Fundo, o critério de julgamento da concorrência será pela melhor proposta técnica, com valor de outorga de R$ 483 mil, a ser pago para o Daer, conforme fixado no edital. A classificação das propostas técnicas será feita pelo maior número de pontos de acordo com parâmetros de localização e instalações da rodoviária, em um máximo de 100 pontos. 

De acordo com o edital, a receita da estação rodoviária será de 11% sobre o valor das passagens vendidas e 15% sobre o preço do despacho de bagagens e encomendas. Para viagens interestaduais, estes critérios não se aplicam. A concessão terá vigência de 25 anos a partir da homologação do contrato pela Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do RS (Agergs), conferindo à empresa vencedora o direito de executar os serviços de estação rodoviária, representando o órgão, por meio da concessão, com fins lucrativos.

Histórico

A última tentativa de licitação da concessão da rodoviária foi suspensa em 2012 por uma decisão cautelar do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Em maio de 2014, venceu o último contrato firmado entre a empresa Paim Bordignon e o Daer para exploração dos serviços. Desde então, o atendimento é mantido por meio de um termo de autorização, de prazo indeterminado, firmado com o Daer – o termo será encerrado com a homologação da nova licitação. A mesma empresa é responsável pelo serviço desde 14 de maio de 1954. A última renovação com a atual concessionária ocorreu em 1992, mas sem passar por licitação pública. 

Um novo edital foi publicado, então, em dezembro de 2019, enquadrando-se no novo modelo do Sistema Intermunicipal do Transporte de Passageiros, aprovado pelo Daer em 2017. O novo sistema divide o estado em 14 mercados, que serão atendidos por uma ou mais empresas reunidas em consórcio. Com relação às rodoviárias, o modelo permite a criação de agências regionais. Os locais funcionarão como pontos de venda de passagens e despacho de encomendas. O principal objetivo da estrutura é garantir o atendimento à população em municípios pequenos, onde, muitas vezes, não há empresas interessadas em explorar o serviço.

As propostas para a nova licitação estavam inicialmente previstas para serem recebidas e abertas no dia 4 de março deste ano, no entanto, a etapa acabou sendo suspensa quando uma empresa de Nova Prata ingressou com pedido de impugnação questionando três pontos do edital: ausência de tratamento diferenciado para micro e pequenas empresas; pedido de esclarecimento relacionado à ausência do estabelecimento do índice de reajuste; e pedido de esclarecimento de casos de prestação de serviço em instalação provisória da rodoviária. O pedido da empresa foi analisado e rejeitado pelo Daer, sem a necessidade de alteração do edital.

Gostou? Compartilhe