Bombeiros organizam vakinha online para ajudar colega que teve perna amputada

Objetivo é conseguir R$ 150 mil para aquisição de uma prótese

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ONDivulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Durante 22 anos o bombeiro passo-fundense Luciano Pissolatto, 45 anos, atuou em cidades como Carazinho, Passo Fundo e Getúlio Vargas. Hoje, vivendo em Erechim, ele é um sobrevivente da Covid-19. No entanto, devido a uma trombose, teve uma perna amputada na altura da coxa. A história sensibilizou colegas do bombeiros, que se reuniram e organizaram uma ação solidária. O objetivo é arrecadar recursos para aquisição de uma prótese ortopédica.

 O drama de Pissolatto teve início no final do mês de maio, quando passou a sentir os sintomas da Covid-19. “Eu não podia ficar em casa, eu tinha que trabalhar”, lembrou. Após alguns dias em casa, o quadro se agravou e o bombeiro precisou ser internado. Durante esse período no hospital, foi submetido a vários exames. O diagnóstico de um deles apontou trombose em uma das pernas. Submetido a um procedimento, permaneceu 28 dias no hospital até receber alta. Uma semana depois, Pissolatto retornou para mais exames e passou por novos procedimentos, sem resultados. Com a intensificação da dor e o agravamento do quadro, a amputação foi inevitável. “O médico fez tudo que podia”, disse o bombeiro, que permaneceu internado na UTI correndo risco de vida.

Passada essa fase, Luciano vive uma nova rotina de adaptação. “É um mundo totalmente diferente. É difícil entrar no banco, andar na rua. É outra visão, outro normal”, relata, o bombeiro que pretende adquirir a prótese para voltar a caminhar. “Nunca mais vai ser como antes. No entanto, o equipamento oferecerá uma mobilidade maior”.

Vakinha

Durante visita ao colega, representantes da Associação dos Bombeiros do Estado do Rio Grande do Sul (ABERGS), se sensibilizaram e decidiram criar uma vakinha para aquisição de uma prótese. “A iniciativa surgiu mediante essa necessidade em que se encontra o bombeiro”, disse o coordenador geral, Tenente Coronel Erderson Franco.

Emocionado com a solidariedade dos amigos, Pissolatto agradeceu pela iniciativa. “Eu sinceramente não imaginava. É muita gente, dá pra acreditar na humanidade ainda”.

Até hoje (10) à tarde, a iniciativa havia arrecadado R$ 43,2 mil da meta de R$ 150 mil. “O objetivo é alcançar para ele a prótese para se restabelecer”, disse o coordenador adjunto de finanças, Tenente coronel José Henrique Ostaszewski. “As pessoas são boas, elas querem ajudar”, finalizou Luciano. As doações podem ser feitas acessando o link: https://vaka.me/1352136.

Notícia atualizada às 21h34

Gostou? Compartilhe