Caminhoneiros encerram paralisação na região

Movimento perdeu força no decorrer da tarde. PRF escoltou veículos pela BR 285 para evitar confrontos

Por
· 3 min de leitura
Polícia Rodoviária Federal acompanhou retorno dos caminhoneiros à estradaPolícia Rodoviária Federal acompanhou retorno dos caminhoneiros à estrada
Polícia Rodoviária Federal acompanhou retorno dos caminhoneiros à estrada
Você prefere ouvir essa matéria?

Após dez dias de protestos, a Operação Corredores Seguros, colocada em prática no início da tarde de ontem (quarta), liberou 25 pontos de concentração de caminhoneiros no Estado. Em Passo Fundo, os manifestantes deixaram a BR 285 e ERS 324, no final da tarde, e encerraram a greve.


Desencadeada pela Polícia Rodoviária Federal, Brigada Militar e Exército, os policiais escoltaram motoristas dispostos a seguirem viagem pelas rodovias federais que cortam o Rio Grande do Sul. Além da escolta em comboios, as forças de segurança se concentraram nos principais pontos de manifestações.
Na região de Passo Fundo, a escolta dos veículos teve início por volta das 13h, com o fim dos protestos nas cidades de Carazinho, Soledade, Fontoura Xavier, Tio Hugo e Lagoa Vermelha. Os motoristas que partiram destes locais e seguiram viagem em direção a Passo Fundo, foram abordados pelos manifestantes no quilômetro 301, da BR285, onde acontecia a maior concentração de caminhoneiros no município. Um deles era João Gilson, morador da cidade de Uberaba, Minas Gerais. Ele descarregou na cidade de Carazinho e ficou preso no protesto desde o primeiro dia da greve.
Ao chegar em Passo Fundo, foi novamente abordado. Mesmo contrariado, decidiu estacionar. Cerca de 10 minutos depois, com a chegada de uma viatura da Polícia Rodoviária Federal, Gilson embarcou e seguiu viagem. Assim como ele, diversos motoristas, que recém haviam parado, aproveitaram a presença dos policiais e retornaram para a estrada.
No entanto, a adesão dos caminhoneiros já paralisados em Passo Fundo foi baixa no início da tarde. No local desde o início da greve, Renan de Oliveira Rodrigues, chegou a afirmar que a intenção dos motoristas era permanecer na rodovia pelo menos até segunda ou terça-feira da próxima semana. "A informação no momento, que estão nos repassando é essa. Se tiver que ficar vamos ficar" afirmou.
Com o enfraquecimento do movimento em toda a região, no decorrer da tarde, esta previsão acabou não se confirmando. A concentração em Passo Fundo foi perdendo força e acabou desfeita até o início da noite. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, a volta dos caminhoneiros para a estrada foi pacífica na região. O mesmo aconteceu com o ponto na RS 324, trevo do Ricci. Segundo a Polícia Rodoviária Estadual, os manifestantes deixaram o local por volta das 17h30.

Pontos desmobilizados, conforme a PRF

BR 285 Carazinho;
BR 386 Soledade;
BR 386 Tio Hugo;
BR 386 São José do Herval;
BR 285 Passo Fundo;
BR 158 Cruz Alta;
BR 116 Vacaria;
BR 285 Vacaria;
BR 116 Vacaria;
BR 285 Lagoa Vermelha;
BR 153 Erechim;
BR 470 Bento Gonçalves;
BR 101 Três Cachoeiras;
BR 285 São Borja;
BR 285 Ijuí
BR 285 Caseiros;
BR 101 Osório.
BR 386 Fontoura Xavier;
BR 287 Jaguari;
BR 287 São Pedro do Sul;
BR 290 Vila Nova do Sul;
BR 158 Itaara;
BR 158 Júlio de Castilhos;
BR 392 Santana da Boa Vista
BR 287 São Vicente do Sul

BM já escoltou 1,2 mil caminhões
O Gabinete de Crise do Estado divulgou, no começo da tarde de quarta-feira (30), um novo balanço das ações executadas. Desde o último domingo (28), até ontem, (quarta), a Brigada Militar e o Corpo de Bombeiros já haviam escoltado 1.220 caminhões para todas as regiões do Estado. Deste total, a maioria (805) estava carregada com combustível. O restante continha ração para animais (204), gás (59), resíduos (43), alimentos (38), leite (19), insumos para tratamento de água (12), carne (12), animais/carga viva (9), grãos (8), materiais médicos e medicamentos (3), e outros (8).


Circulação de caminhões com combustível já chega a 60%
A Associação Nacional das Distribuidoras de Combustível, Lubrificantes, Logística e Conveniência (Plural) informou ontem (30) que o abastecimento dos postos de combustíveis do país começa a voltar à normalidade. Segundo a entidade, que representa o segmento de refino de petróleo e armazenamento e distribuição de combustíveis e biocombustíveis, a circulação de caminhões-tanque já chega a 60% da movimentação habitual nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste.A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) também informou que a situação nos postos revendedores começa a ser normalizada.
Segundo a Petrobras, a paralisação de 72 horas dos petroleiros, que iniciouontem não terá impactos na produção de combustível no país. “Estamos observando e trabalhando para evitar qualquer impacto na produção”, disse o diretor executivo da Petrobras, Nelson Luiz Silva.

Aeroportos
Ainda de acordo com a Plural, as operações estão sendo gradualmente normalizadas nos principais aeroportos, possibilitando o restabelecimento da malha aérea. Responsável pela gestão de 54 aeroportos brasileiros, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) ainda falta combustível em nove localidades: Belém (PA), no aeroporto Brigadeiro Protásio de Oliveira; Campina Grande (PB); Imperatriz (MA); Juazeiro do Norte (CE); Londrina (PR); Montes Claros (MG); Palmas (TO); São José dos Campos (SP) e Uberlândia (MG).

 

Gostou? Compartilhe