60 anos do curso de Artes Visuais

Exposta no Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (MAVRS/UPF), Cortinas do Cotidiano II inspira e propõe olhares sobre a rotina

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Se uma década carrega alguma bagagem, 60 anos carregam, consigo, a própria história. E, para que esta seja contada e revivida, o curso de Artes Visuais expõe o acervo das seis décadas em que está presente e convida a uma viagem. Entre rotina e arte, a exposição Cortinas do Cotidiano II é uma experiência de sensibilidade.

Uma gravura consiste em um traçado feito por incisão num material de modo que permita a impressão. Esse conceito desdobra-se em diferentes técnicas, entre as quais a antiguíssima Xilogravura. Essa técnica, forma mais antiga de gravação, foi escolhida pela turma de Artes Visuais 2011/2, durante a disciplina de Gravura II, ministrada pela professora Mariane Loch Sbeghen, para produzir as obras que constituíram a exposição Cortinas do Cotidiano.

As peças produzidas em aula viraram arte: junto com matrizes deixadas pelos acadêmicos no Atelier de Gravura da Faculdade de Artes e Comunicação ao longo das seis décadas do curso de Artes Visuais, são responsáveis por dar vida à exposição Cortinas do Cotidiano II.

A montagem presta homenagem a todos que passaram pelo curso e lá deixaram marcas de seus sonhos e desejos, agora expostos para inspirar e propor um olhar sobre o dia-a-dia. Objetos, pensamentos, sonhos, aspirações, tudo está impresso, convidando o espectador a encontrar-se nas cortinas estampadas com os mais variados temas que permeiam nosso cotidiano. De forma figurativa - ou não - é possível perceber traços de vida sulcados nas várias matrizes que constituem a instalação.

O MAVRS, situado na Avenida Brasil Oeste, 758, permanece aberto à visitação de terça à sexta-feira, das 9h às 18h, e aos sábados e domingos, das 14h às 18h. A instalação Cortinas do Cotidiano II deve permanecer até o final do próximo mês de março.

Gostou? Compartilhe