Gasolina é vendida acima de R$ 4 em municípios do interior

Coordenador do Balcão do Consumidor recomenda que clientes prestem atenção aos preços e recorram aos órgãos de defesa sempre que se sentirem lesados

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Após o anúncio do reajuste no imposto do PIS/Cofins sobre os combustíveis, a gasolina comum é comercializada acima dos R$ 4,00 em postos localizados no interior do Estado. Em Aratiba, município com menos de 10 mil habitantes, localizado a 30 quilômetros de Erechim, o litro da gasolina comum é vendido por R$ 4,39 e a aditivada por R$ 4,49.

 

Em Soledade, a gasolina comum foi encontrada por R$ 4,19 e R$ 4,21 em dois postos consultados pela redação de ON. Outros municípios, como Victor Graeff, que só possuem um posto de combustível, se negaram a informar o preço praticado por telefone. Em Passo Fundo o litro da gasolina era vendido em média entre R$ 3,29 e R$ 3,89 até o dia 22, segundo levantamento da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Agora, o litro é encontrado por até R$3,99. O mesmo preço foi encontrado em postos de Vila Langaro, Vila Maria e Marau. Em Carazinho e Não-Me-Toque foram registrados preços abaixo dos R$ 3,90. Em Carazinho, dos três postos consultados, o maior valor praticado na gasolina comum foi R$3,89. Em Não-Me-Toque, o maior valor dentre os três estabelecimentos consultados foi R$ 3,87.    

 

Um posto famoso pela gasolina barata em Carazinho, está vendendo o litro tanto da comum como da aditivada por R$3,65. A reportagem entrou em contato com o proprietário do posto para entender como é possível praticar um preço inferior em relação aos outros postos, mas ele informou que era questão de estratégia da empresa e preferiu não se pronunciar. Em Passo Fundo também há exemplos de estabelecimentos que vendem gasolina com preço inferior. Nesta segunda-feira (24), a reportagem encontrou o combustível sendo comercializado por R$ 3,49 e R$ 3,69.

 

O presidente da Acisa, Lamar Sakis, acredita que o preço não aumentou só nos municípios pequenos. “Eu estava em Porto Alegre e eu vi a gasolina lá a R$ 4,09. Lá eles estão perto de uma refinaria, que é em Esteio”, exemplifica. Sakis lembra que há um mês, o preço da gasolina era comercializado entre R$ 3,89 e R$ 3,99 em Passo Fundo. Com a chegada de uma rede nova de postos, de Santa Catarina, o litro baixou mais de R$ 0,50.

 

“Os postos não têm margem para tudo isso, então de onde é que saiu essa diferença?! Isso a gente fica se perguntando. Eu julgo que não tem magia na formação do preço. Se a gente for fazer tudo legal como tem que ser: documento, emissão de nota, ICMS, tudo isso, não tem magia para ter uma variação em relação ao preço que estava. Segundo o governo, o aumento foi de R$ 0,41 para a gasolina nas refinarias. O que estamos vendo é que foi repassado para a refinaria, a refinaria repassou para os postos e os postos devem ter acrescentado alguma margem a mais para restabelecer aquilo que eles tiveram de baixar aqui em Passo Fundo com uma rede nova de postos”, explica o presidente da entidade empresarial.

 

Direito do Consumidor

 

Os consumidores que se sentirem lesados, em Passo Fundo, podem procurar o Procon, o Balcão do Consumidor e o Ministério Público. O coordenador do Balcão do Consumidor e professor da UPF, Rogério da Silva, explica que o órgão recebe as demandas dos consumidores, mas que não tem o poder de fiscalização. Já os consumidores dos pequenos municípios, onde não há agências do Procon, podem recorrer ao Procon Estadual ou a Delegacia de Proteção e Defesa do Consumidor.

 

“O consumidor tem que ficar bastante atento nesse sentido e fazer aquilo que o papel principal do consumidor que é a pesquisa de preços. Andando pela cidade é possível notar que existe uma variação. O consumidor tem o poder de escolha e pode verificar qual o estabelecimento que está oferecendo produto de qualidade e mais barato. É exercer o direito de escolha do consumidor” orienta o coordenador do Balcão.

 

 

 

 

Gostou? Compartilhe