Setor deve apresentar crescimento de 5%

Agora, o período é propício para aproveitar as promoções e liquidações de vestuário de verão e materiais escolares

Por
· 3 min de leitura
Depois de cinco anos estagnado, comércio apresenta saldo positivoDepois de cinco anos estagnado, comércio apresenta saldo positivo
Depois de cinco anos estagnado, comércio apresenta saldo positivo
Você prefere ouvir essa matéria?

Apesar dos meses de férias entre janeiro e fevereiro em que o movimento na rua diminui e ocorre uma freada do consumo no município, a expectativa da Câmara de Dirigentes Lojistas de Passo Fundo (CDL) é de um saldo positivo para este ano com crescimento de vendas em torno de 5% nos três primeiros meses, especialmente no período pós carnaval, em março. No ano passado, o aumento significativo de vendas foi na compra de veículos novos, o que deve permanecer em 2019, depois de um período de cinco anos de estagnação no comércio em geral. Com o crescimento ocorrido em 2018, a tendência agora é dar uma equilibrada.


Segundo a presidente da CDL, Carina Sobiesiak a expectativa para os bons resultados se dá em decorrência do período pós eleitoral. Houve um impacto e o consumir ficou mais confiante em investir. “A sociedade voltou a ter uma confiança melhor no mercado e está consumindo mais, tirando o seu dinheiro da poupança, talvez por uma insegurança do futuro, e voltou realmente a consumir, e com isso alavancarem-se as vendas. Isso é muito importante para o crescimento da economia, porque onde a gente segura o dinheiro, ele não circula e se torna uma economia estagnada, o crescimento não aparece e não há resultados”, ressalta.


Outros aspectos que melhoraram as vendas no período foi o recebimento do décimo terceiro salário e a inflação controlada, com taxas e juros baixos. Segundo Carina, isto atrai o consumidor a comprar a prazo e buscar bens de maior valor. E para quem passa pelo centro de Passo Fundo percebe que além das diferentes possibilidades de pagamentos, tem-se promoções e descontos. No início de janeiro o setor de eletrodomésticos realizou a tradicional campanha de liquidação dos mostruários e agora com o fim do período escolar a compra de materiais é outro setor procurado, especialmente pelos pais, além das ofertas do vestuário de verão. Apesar das lojas de rua e comércio tradicional terem sentido a entrada de dois grandes empreendimentos - Passo Fundo Shopping e a megaloja Havan, na qual aumentou a concorrência e dividiu-se os clientes, a época foi a melhor para o fechamento de vendas em todos os setores.

 

Brasil ganhou 8,1 mil novos varejistas
O comércio varejista fechou 2018 com 8,1 mil novas lojas. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), esse é o saldo entre o número de estabelecimentos que fecharam e que abriram as portas.O resultado positivo vem depois de três anos com saldo negativo (mais empresas fechando as portas do que abrindo). Entre 2015 e 2017, o setor perdeu 223 mil estabelecimentos.Para este ano, são esperadas novas 23,3 mil lojas, com crescimento de 5,8% nas vendas do setor.


Em 2018, o segmento com melhor desempenho na abertura de lojas foi o de hiper e supermercados, que ganhou 4.510 novos estabelecimentos, seguido pelo de utilidades domésticas e eletroeletrônicos (1.747) e pelas drogarias, farmácias e lojas de cosméticos (1.439).Os únicos segmentos com saldo negativo foram móveis e eletrodomésticos (-176) e material de construção (-926). Regionalmente, em 15 das 27 unidades da Federação foram registradas mais aberturas do que fechamentos, destacando-se de forma positiva os estados de São Paulo (3.883), Santa Catarina (1.706) e Minas Gerais (940).Para o economista-chefe da CNC, Fabio Bentes, contribuíram para o saldo positivo a inflação abaixo da meta, a redução dos juros ao consumidor, a reação do mercado de trabalho e a disponibilização de recursos como os saques nas contas do PIS/Pasep.


Na passagem de outubro para novembro de 2018, seis das oito atividades varejistas pesquisadas tiveram alta na passagem, com destaque para outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,9%), móveis e eletrodomésticos (5%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (2,8%), que foram beneficiados por promoções anunciadas em novembro.Também tiveram alta os segmentos de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,7%), tecidos, vestuário e calçados (1,7%) e combustíveis e lubrificantes (0,1%).Por outro lado, dois setores tiveram queda no volume de vendas: livros, jornais, revistas e papelaria (-1,9%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-0,2%).

 

Outlet
Está previsto para o mês de abril, um grande outlet de empresas e lojistas só de Passo Fundo. Em breve, a Câmara de Dirigentes Lojista deve divulgar a campanha, que promete muitos descontos e promoções para a comunidade.

Gostou? Compartilhe