Governo lança novo sistema de monitoramento da pandemia

As bandeiras do Modelo de Distanciamento Controlado não serão mais utilizadas

Por
· 2 min de leitura
O governador realizou a apresentação em transmissão ao vivo (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)O governador realizou a apresentação em transmissão ao vivo (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)
O governador realizou a apresentação em transmissão ao vivo (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)
Você prefere ouvir essa matéria?

O novo sistema de monitoramento da pandemia foi lançado hoje (14) pelo governador Eduardo Leite, em transmissão ao vivo. O novo modelo, chamado “Sistema 3As”, substitui o Modelo de Distanciamento Controlado, que definia bandeiras e protocolos para as regiões. O decreto com o novo sistema deve ser publicado amanhã (15) ele irá entrar em vigor à 0h deste domingo (16).

A mudança ocorre após críticas ao sistema anterior, que ficou em vigor por quase um ano. De acordo com o governo, o objetivo da alteração é aperfeiçoar o modelo, intensificar a adesão da população e de Prefeituras e aplicar novos padrões de acompanhamento. O novo sistema busca simplificar o monitoramento e os protocolos. O governador observou que ajustes tornaram o modelo anterior complexo e que ele sofreu ataques de diversos setores.

"Temos uma nova realidade depois de um ano de modelo de Distanciamento Controlado e aprendemos muito sobre a pandemia, como monitorar melhor os vários indicadores, e passamos a ter uma leitura melhor dos dados por parte da nossa equipe técnica. Acredito que todos aprenderam muito, inclusive os prefeitos e toda a sociedade, nos permitindo agora revisar o sistema, simplificando tanto o monitoramento quanto os protocolos”, afirmou o governador.

As 21 regiões Covid-19 foram mantidas, mas as bandeiras não serão mais utilizadas. O sistema consiste em três etapas: Aviso, Alerta e Ação. O primeiro será emitido quando for detectada alguma tendência na região, ele será encaminhado para o comitê técnico regional para que a atenção seja redobrada, no entanto, a adoção de novas medidas será opcional.

Já o Alerta ocorre quando for detectada uma tendência grave. Ele será enviado para a região e o Gabinete de Crise. Neste caso, as regiões precisarão propor ações de enfrentamento, tendo 48h para responder. Caso o Gabinete não considere a ação adequada, poderá estipular medidas adicionais.

Monitoramento

Ao contrário do modelo anterior, os indicadores não serão pré-fixados. No entanto, a velocidade de propagação e capacidade de atendimento seguem como eixos de acompanhamento. O governo passará a divulgar boletins diários com dados estaduais e regionais. Eles incluirão dados como casos, óbitos, hospitalizações e vacinação. O objetivo é auxiliar na tomada de decisões dos municípios. As informações ficarão disponíveis em um novo site.

Protocolos

O governo estadual irá determinar alguns protocolos gerais para todo o estado, com o uso de máscara, distanciamento mínimo de 2m, uso de álcool em gel e ventilação dos ambientes. Em relação aos protocolos específicos para atividades, o governo destacou que elas foram reduzidas de 143 para 42 grupos de atividades, divididas conforme nível de risco. As atividades terão que seguir os protocolos gerais, os obrigatórios de cada atividade e protocolos variáveis.

Os protocolos variáveis serão definidos por cada região. Em caso de ausência de um protocolo regional, o estado irá definir um protocolo padrão. Para a aplicação de protocolos próprios, as regiões deverão ter aprovação de dois terços dos municípios. Também será necessário implementar um Plano de Fiscalização e publicar os protocolos e o plano nos sites dos municípios.

Aplicação

Até as 23h59 deste sábado (15), todo o RS deve seguir cumprindo os protocolos de bandeira vermelha do Distanciamento Controlado. A princípio, os encontros semanais de avaliação ocorrerão nas terças-feiras, mas podem ser convocadas a qualquer momento, quando necessário. O Alerta e a Ação dependerão do Gabinete de Crise, que seguirá se reunindo pelo menos duas vezes por semana, mas que pode ser convocado pelo governador ou pelo GT Saúde sempre que necessário.


Gostou? Compartilhe