Ex-deputado Roberto Jefferson já está em presídio

O político é que investigado em inquérito que apura a existência de organização criminosa com a nítida finalidade de atentar contra a democracia e o Estado de Direito

Por
· 1 min de leitura
 Roberto Jefferson (PTB-RJ) deixando a sede da Polícia Federal ( Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil) Roberto Jefferson (PTB-RJ) deixando a sede da Polícia Federal ( Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Roberto Jefferson (PTB-RJ) deixando a sede da Polícia Federal ( Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Você prefere ouvir essa matéria?

O ex-deputado federal e presidente nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, já está preso no Presídio José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio. O político chegou ao local em um carro da Polícia Federal, às 15h48. Da janela aberta do veículo foi possível ver que ele estava no banco de trás e usava uma máscara com uma bandeira estilizada do Brasil. 

Desde às 12h40, Jefferson estava na Superintendência da Polícia Federal, no centro do Rio de Janeiro, para onde foi levado ao Instituto Médico Legal (IML), onde chegou às 12h16 para fazer o exame de corpo de delito.

O presídio de Benfica é o local para onde os presos são levados para uma triagem e entrada no sistema prisional do estado do Rio de Janeiro. É possível que de lá o presidente nacional do PTB seja transferido para um presídio do Complexo de Bangu, na zona oeste da capital.

Prisão

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decretou a prisão preventiva de Roberto Jefferson, no âmbito de inquérito que investiga a existência de organização criminosa com a nítida finalidade de atentar contra a democracia e o Estado de Direito.

De acordo com o relator, a Polícia Federal (PF), que pediu a custódia, alegou que o ex-deputado tem se manifestado, reiteradamente, por meio de postagens em redes sociais e em entrevistas concedidas, atacando integrantes de instituições públicas, desacreditando o processo eleitoral brasileiro, reforçando o discurso de polarização e de ódio; e gerando animosidade na sociedade brasileira, promovendo o descrédito dos poderes da República.

Com informações da Agência Brasil e do Supremo Tribunal Federal (STF)

Gostou? Compartilhe