De bem com o Sol

O verão está chegando e, com ele, a vontade de aproveitar o Sol e pegar aquela corzinha.

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

É quase impossível evitar a exposição ao Sol.  Aliás, nem é muito bom ficar tentando evitar demais. É através do Sol que o nosso organismo obtém a vitamina D e, com ela, melhora a absorção do cálcio, fortalecendo os ossos. O problema é que com a chegada do verão, a gente não resiste. Principalmente nós mulheres. Todo mundo quer sair por aí desfilando seus corpos bronzeados e, muitas vezes, o exagero pode pôr em risco a nossa saúde.

A dermatologista Gilvana Aparecida Bonella alerta que a primeira coisa que precisamos entender é que, com a rarefação da camada de ozônio, as radiações passam com maior intensidade. É por isso, que o uso do protetor solar no dia a dia é indispensável. E não é só por causa da radiação solar, as lâmpadas fluorescentes e a tela do computador também podem causar danos à pele. Quem está preocupado com a absorção de Sol para a produção de vitamina D pode ficar tranquilo: “A gente absorve uma quantidade do Sol através do couro cabeludo, então, mesmo usando protetor solar vamos ter essa absorção do Sol,” explica a dermatologista.

Os riscos do exagero

Os riscos de uma exposição prolongada, e sem proteção, ao Sol são inúmeros e vão desde manchas e envelhecimento precoce até o câncer. A médica comenta que quando você se expõe ao sol, danifica o DNA da pele, causando o que ela chama de foto dano. Esses danos, podem se manifestar muitos anos depois, acelerando o envelhecimento cutâneo ou foto envelhecimento, além de predispor ao aparecimento de manchas pré-cancerosas.

Como escolher o protetor ideal

A escolha do melhor produto nem sempre é fácil. “Hoje, nós temos inúmeras opções de protetores solar, para cada tipo de pele: nós temos alguns que controlam a oleosidade, são adequados para pessoas com peles oleosas, temos protetores mais hidratantes, mais cremosos para quem tem pele mais seca”, conta Gilvana. O ideal é que se preste atenção no FPS, o Fator de Proteção Solar, que vai de 30 a 100. Segundo a médica, as pessoas com peles mais claras devem optar por um fator mais alto: de 60 até 100. Já quem tem a pele mais morena, pode optar por um protetor de FPS 30. É importante, também, ficar atento ao modo de aplicar o protetor. “O protetor solar leva de uns 15 a 20 minutos pra fazer efeito e dura em torno de 4 horas, depois disso deve ser reaplicado,” ensina.

Com a cor do verão

Afinal, existe uma maneira de bronzear a pele sem prejudicar o organismo? Depende. A médica explica que a quantidade de produção de melanina é geneticamente herdada. “A gente nasce com uma quantidade de células pré-determinadas que vão produzir a melanina,” comenta. Então, se você tem não tem uma pele tão clara e for para o Sol, com protetor FPS 30, vai bronzear. Para os que têm a pele clara fica mais difícil. A dermatologista alerta que o organismo não vai produzir uma quantidade muito grande de melanina e os riscos de danificar a pele aumentam. Mas não precisa desanimar: “a pessoa pode tomar um Sol, dentro dos horários adequados (antes das 10 horas e após as 16 horas), usando um fator adequado para sua pele. Sempre, um pouco, ela vai bronzear,” explica.

Tomando todos os cuidados, você vai poder curtir a praia, a piscina ou até mesmo aquela caminhada no parque sem medo. O Sol pode ser seu aliado. O protetor solar também. 

 Dicas úteis

- O melhor horário para sair no Sol é antes das 10h e depois das 16h

- Use sempre protetor solar, até mesmo em dias nublados.

- Pessoas de pele devem optar por protetores com FPS maior que 60. Já pessoas com pele morena podem escolher um produto com FPS 30.

- Passe o protetor solar pelo menos 30 minutos antes de se expor aos raios solares e não se esqueça de aplicar nas mãos, orelhas, pálpebras e pés.

- Reaplique o protetor a casa 2 horas ou após sair da água.

- Utilize também protetor labial e protetores para os cabelos.

- Mantenha-se hidratado

 

Gostou? Compartilhe