ORTOPEDIA IOT-HSVP: Ciência e tecnologia para garantir atendimento de excelência

Mais de 167.700 pessoas foram atendidas no período de janeiro a agosto deste ano nas duas unidades do Hospital São Vicente de Paulo

Por
· 1 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?

No dia 19 de setembro foi comemorado o Dia do Ortopedista. Com demandas cada vez mais específicas e com cada vez mais profissionais chegando ao mercado, o diferencial na Ortopedia e Traumatologia são o ensino, a tecnologia e a ciência. O ortopedista especialista em Pé e Tornozelo da Clínica IOT, Dr. Cristhopher Stoffel, releva que para ser médico ortopedista é necessário realizar, além dos 6 anos de faculdade de Medicina, no mínimo mais 3 anos de residência médica em Ortopedia e Traumatologia. “Após a residência, o ideal é passar por mais um ou dois anos de especialização em uma das subáreas da ortopedia. No IOT temos dez destas especialidades”, revela. Dr. Cristhopher explica que, após a conclusão da residência médica, os ortopedistas são avaliados pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, em um dos mais difíceis testes de especialidades do mundo. “Somente os médicos aptos passam neste teste e pode então ingressar na SBOT, isso serve como um filtro na formação dos novos colegas”, revela. A dica importante dada pelo especialista aos pacientes é que procurem por médicos ortopedistas membros da SBOT e, de preferência, com formação complementar na subárea que procuram.

 

Ciência e Tecnologia
O ensino e a ciência também são importantes na manutenção da qualidade. Os ortopedistas da clínica são preceptores, ou seja, são supervisores e professores de médicos advindos de todo o país e da América Latina em busca de qualidade na formação em Ortopedia. A Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) e o Hospital São Vicente de Paulo são os responsáveis pelo programa de residência médica. Atualmente 13 residentes em Ortopedia, 16 fellows (ortopedistas em formação de subespecialidades) e 3 residentes em Cirurgia da Mão realizam suas atividades junto aos médicos. “A clínica sempre procurou os melhores profissionais, divididos por subespecialidades, e aliou isso com a formação de novos ortopedistas e especialistas desde o princípio, há 43 anos. O fato de ser um centro de formação sempre manteve os profissionais atualizados e oferecendo o melhor atendimento possível”, frisa o ortopedista.

 

(Matéria completa na versão impressa, Medicina e Saúde) 

Gostou? Compartilhe