A evolução dos aparelhos ortodônticos

(*) Bibiana Oliveira

Por
· 1 min de leitura
A peça deixa o sistema praticamente imperceptível - Foto - DivulgaçãoA peça deixa o sistema praticamente imperceptível - Foto - Divulgação
A peça deixa o sistema praticamente imperceptível - Foto - Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

A ortodontia contemporânea tem se utilizado do desenvolvimento de novas técnicas e o aperfeiçoamento dos aparelhos ortodônticos, dispondo de recursos que permitem obter excelentes resultados, com menor desconforto, maior estética, em um tempo menor de tratamento. Com o avanço tecnológico mundial e o desenvolvimento de novos materiais, as principais companhias ortodônticas têm investido cada vez mais no desenvolvimento de novas peças, os “braquetes estéticos”, que hoje podem ser fabricados com alta qualidade em materiais de porcelana e de safira. Além disso, são menores e programados, permitindo ao profissional trabalhar sem dobras, aumentando a eficiência do atendimento.

Esta opção de tratamento tem se demonstrado uma excelente alternativa estética para evitar a tradicional aparência metálica, garantindo uma maior discrição na fase ativa do tratamento. Estes novos materiais, sejam de porcelana ou de safira, combinam extremamente bem com diversos tons de esmalte, tornando-os muito mais discretos que as peças de aço inoxidável. Os braquetes de porcelana são produzidos a partir de uma cerâmica policristalina, enquanto os de safira são feitos de uma cerâmica monocristalina tratada termicamente, com excelente acabamento, produzindo a peça com um aspecto incolor, deixando o sistema praticamente imperceptível.

Exigências estéticas

Além das peças estéticas, uma nova tendência tem se difundido rapidamente. Trata-se dos aparelhos autoligados (self-ligating). Estes aparelhos são providos de uma tampa na parte externa da peça, que se abre e fecha com facilidade, permitindo que o fio ortodôntico seja fixado no aparelho sem a necessidade da amarração com ligaduras metálicas e elásticas, as chamadas “borrachinhas”. Trata-se na verdade, de um braquete com tampa, oferecendo várias vantagens em relação aos aparelhos tradicionais, destacando-se a não necessidade de amarração do fio, gerando consultas mais rápidas, maior facilidade de higienização, havendo grande redução do atrito durante a mecânica, podendo levar a tratamentos mais rápidos e eficientes. E, para quem procura por um tratamento com uma exigência estética ainda mais alta e conforto, existe a alternativa do Sistema Invisalign, que são alinhadores invisíveis, onde o paciente tem a possibilidade de remover os alinhadores para se alimentar, possibilitando ainda uma maior higiene e conforto.

(*) Bibiana Oliveira é odontóloga especialista em Ortodontia, credenciada pelo Damon System e Invisalign Doctor Bronze pela Invisalign Brasil.


Gostou? Compartilhe