MEDICINA & SAÚDE - Como se proteger da Covid-19 no verão?

Estação implica em maior atenção às medidas de prevenção

Por
· 2 min de leitura
Devido ao isolamento social, grande parte da população mundial tem se privado do Sol - maior fonte de vitamina D (Foto - Tania Dimas – CCO)Devido ao isolamento social, grande parte da população mundial tem se privado do Sol - maior fonte de vitamina D (Foto - Tania Dimas – CCO)
Devido ao isolamento social, grande parte da população mundial tem se privado do Sol - maior fonte de vitamina D (Foto - Tania Dimas – CCO)
Você prefere ouvir essa matéria?

Atingindo a faixa de 228.000 mortes pelo novo coronavírus no Brasil, a pandemia ainda não acabou. Além do uso constante de álcool gel, máscaras e o hábito de lavar as mãos, o distanciamento social ainda é a principal medida para a prevenção da Covid-19. Por isso, as aglomerações devem ser evitadas. Mesmo com a chegada do calor intenso do verão, o uso de piscinas públicas e praias devem seguir as recomendações sanitárias estabelecidas, pois pode aumentar as chances de contágio e, consequentemente, os casos e óbitos decorrentes do vírus.


Cartilha para viagens

Para minimizar a contaminação, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças, nos Estados Unidos, disponibilizou uma cartilha para a população que irá viajar. As principais recomendações são: fazer viagens em carros particulares com pessoas do seu convívio; não ir à praia com quaisquer sintomas da Covid-19 (dor de cabeça, febre, coriza, tosse e dor de garganta); ficar a dois metros de distância de estranhos na faixa de areia ou na água; não compartilhar bebidas nem equipamentos; e por fim, utilizar álcool gel e sabonetes constantemente.


Cuidados no isolamento

Em relação àqueles que permanecerão no distanciamento social durante o verão, é importante que também continuem atentos à saúde. Além das principais precauções contra a Covid-19, medidas como uma alimentação balanceada e saudável, uma rotina de exercícios e níveis adequados de vitaminas no organismo são vitais nesse momento de pandemia e lotação dos hospitais. Às pessoas do grupo de risco, o cuidado deve ser redobrado.


Minutinhos ao sol

Devido ao isolamento social, grande parte da população mundial tem se privado da maior fonte de vitamina D, o sol, agravando uma situação que já acontece com frequência no mundo, mesmo antes da pandemia, que é a hipovitaminose D. Dados atuais mostram que 40% da população mundial tem deficiência de vitamina D, número maior em determinados períodos e grupos populacionais, como por exemplo: os idosos. Isso por que a vida atribulada das grandes cidades impede que as pessoas fiquem expostas de maneira eficiente para a absorção da vitamina D. "O ideal é se expor ao sol com boa parte do corpo descoberta, sem uso de proteção solar, das 10h às 15h, por pelo menos 15 minutos, todos os dias", explica Odair Albano, médico e consultor de saúde em Campinas-SP. Nestes casos, a suplementação vitamínica se torna uma grande aliada para manter níveis satisfatórios do micronutriente no organismo. Com a orientação adequada do médico, ela é extremamente necessária, uma vez que atua diretamente no sistema imunológico, ajudando a evitar diversas doenças e complicações, segundo pesquisa de 2019.


Vitamina D

Publicado na Aging Clinical and Experimental Research, outro estudo científico relaciona a taxa de mortalidade de Covid-19 com o baixo nível de vitamina D da população de 20 países da Europa, além de Espanha, Itália e França, regiões que apresentaram os maiores números de mortes por Covid-19 no continente. Mostram a importância da vitamina na prevenção de infecções agudas do trato respiratório e foi observado que há uma correlação entre o déficit de vitamina D no organismo e a gravidade da doença causada pelo novo coronavírus (Covid-19). De acordo com Albano, a vitamina D é hoje considerada como um pré-hormônio e, além dos benefícios a saúde óssea e muscular, possui ação imunomoduladora, em especial nas doenças respiratórias e virais. 


Gostou? Compartilhe