MEDICINA & SAÚDE - Como cuidar dos filhos e protegê-los de doenças no inverno?

Chegada do inverno traz, para os pais, uma preocupação a mais com os bebês e filhos pequenos

Por
· 1 min de leitura
(Foto – Freepik)(Foto – Freepik)
(Foto – Freepik)
Você prefere ouvir essa matéria?

Proteger contra o frio é uma medida de conforto. No entanto, os cuidados vão além e medidas simples podem ajudar a reduzir o risco de doenças infecciosas e respiratórias, que comumente surgem nessa época do ano. O médico pediatra e associado da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), José Paulo Ferreira, alerta que o inverno não foi feito para criança ficar trancada dentro de casa, mas as condições de passeios pedem um pouco de cautela. “Quando há uma condição climática boa, é bom promover passeios ao ar livre. Porém, no cenário de muito frio é importante avaliar. Hoje, não falamos só do frio, mas da preocupação com a pandemia do coronavírus que colocou um ingrediente a mais que é evitar locais fechados e com aglomeração de pessoas”, explica.


Banho

O banho no inverno para as crianças exige alguns cuidados adicionais para não causar desconforto e mais importante ainda, prevenir resfriados.

"Nossa cultura é tomar banho todos os dias, mas isso não deve ser uma regra. Especialmente. quando falamos de bebês ou crianças muito pequenas. O banho é para ser um momento de tranquilidade para o bebê. Se estivermos o submetendo a um estresse muito grande em um ambiente que não é adequado, não há necessidade", acrescenta.


Alimentação

A alimentação e a ingesta adequada de líquidos são passos fundamentais para manter a imunidade das crianças em alta. No frio é comum as crianças comerem um pouco mais de massas e carboidratos em geral, mas não pode se descuidar de tomar líquidos mesmo que não esteja calor. Para o recém-nascido, os pediatras indicam sempre o estímulo ao aleitamento materno que é completo e oferece tudo que o bebê precisa, “Em relação a higiene das mãos é fundamental que seja uma rotina, não só nos tempos de pandemia, mas para vida toda uma vez que as crianças levam às mãos a boca com frequência”, disse. A orientação final é manter sempre em dia a carteirinha de vacinação. 

Gostou? Compartilhe