Estoque de sangue na Hemoterapia do HSVP é considerado crítico

Situação ameaça as cirurgias eletivas no hospital

Por
· 2 min de leitura
As doações são necessárias para reestabelecer os estoques (Foto: Arquivo/ON)As doações são necessárias para reestabelecer os estoques (Foto: Arquivo/ON)
As doações são necessárias para reestabelecer os estoques (Foto: Arquivo/ON)
Você prefere ouvir essa matéria?

O Serviço de Hemoterapia do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) emitiu alerta na segunda-feira (02) que encontra-se com os estoques de sangue em estado crítico. A situação é mais grave para os tipos sanguíneos O- e O+. Para manter os estoques são necessárias 60 doações em média por dia, mas elas não chegaram a 50 coletas diárias na semana passada. O número baixo ameaça a manutenção das cirurgias eletivas.  

“Com o contexto do frio, de férias escolares, com muitos indivíduos fazendo vacina e a pandemia prolongada, a gente acabou sentindo queda do estoque há mais ou menos há 15 dias”, analisa a gestora e responsável técnica do setor, a médica Cristiane Rodrigues de Araújo. 

As ações para aumentar as coletas foram intensificadas, mas pela alta complexidade do hospital, a situação segue crítica, conforme a médica.

Enquanto as doações diminuem, a demanda pelas bolsas de sangue continua. “Além dos pacientes internados pela Covid-19, temos muitos que são internados na emergência, tem ainda cirurgias cardíacas e transplantes. A gente tem que ter o mínimo de estoque para atender as emergências e, se não contar com a participação da comunidade, corre o risco de suspender as cirurgias eletivas”, alerta a médica.

Hemopasso

No Hemopasso não há falta de nenhum tipo sanguíneo, apesar de apresentar um sinal de alerta. “Nunca podemos dizer que é suficiente porque nunca sabemos o que vai acontecer”, destaca Alexandra Mazzoca, do setor de captação de doadores. 

O local tem conseguido manter uma média de 60 atendimentos por dia, mas o mês de agosto é considerado mais crítico para as doações e costuma derrubar os estoques. O frio, chuvas e os sintomas gripais tendem a afastar os doadores. “A gente já tem uma programação na manga para tentar manter a média. Esperamos que nem o frio e nem as chuvas espantem os doadores”, diz Alexandra. Já em relação aos sintomas gripais, a situação é mais complicada, pois grupos inteiros precisam ser desmarcados devido a prevenção da Covid-19. “É uma maneira diferente e nova de trabalhar que a gente vai se adaptando”, destaca Alexandra.

Para manter os estoques, o Hemopasso tem orientado os hospitais sobre o uso racional de sangue, sobre os procedimentos eletivos e buscando a captação de tipos sanguíneos específicos. Além disso, a solidariedade segue como o principal. “A pandemia aflorou isso nas pessoas, principalmente os jovens, temos notado um aumento considerável de jovens fazendo a doação voluntariamente”, destaca Alexandra.

Doação

As doações na Hemoterapia do HSVP são realizadas das 8h às 13h, de segunda a sexta-feira, na Rua XV de novembro, nº 485, 5º andar. O agendamento pode ser feito pelo telefone 3316-4087. A orientação é que os doadores estejam sem sintomas de gripe, não tenham tido recentemente infecção por coronavírus e estejam sem contato com pessoas contaminadas. 

No Hemopasso, a orientação é para que o agendamento seja feito das 7h às 19h pelos telefones: 3311-1427 ou 3311-5555. Dúvidas podem ser esclarecidas pelo telefone ou whatsapp pelo número 99671-9867. “Pedimos o agendamento porque estamos com a agenda bastante estreita, mas se a gente tiver condições de encaixar, a gente encaixa”, explica Alexandra.

Em ambos os locais, os vacinados contra a Covid-19 devem aguardar uma semana para doar e os vacinados contra a gripe precisam aguardar dois dias. 

Gostou? Compartilhe