Frente Parlamentar de Apoio às Santas Casas busca auxílio aos hospitais filantrópicos

Administrador do Hospital de Clínicas e presidente da Federação das Santas Casas RS, Luciney Bohrer participou do encontro

Por
· 1 min de leitura
Resultado da reunião foi considerado positivo pelos representantes das instituições hospitalares (Foto: Divulgação/HCPF)Resultado da reunião foi considerado positivo pelos representantes das instituições hospitalares (Foto: Divulgação/HCPF)
Resultado da reunião foi considerado positivo pelos representantes das instituições hospitalares (Foto: Divulgação/HCPF)
Você prefere ouvir essa matéria?

A Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos (CMB), a Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Rio Grande do Sul, e a Frente Parlamentar de apoio às Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas se reuniram em Brasília, na Câmara dos Deputados, para discutir soluções de amparo financeiro às instituições filantrópicas de todo o país.  

“Nossa união é muito importante e precisamos nos manter mobilizados até alcançarmos a liberação desse recurso, essencial e urgente para o setor”, destacou Luciney Bohrer, presidente da Federação RS e administrador do Hospital de Clínicas de Passo Fundo. 

Paralelamente também ocorreu um encontro do presidente da CMB, Mirocles Véras, senador Luis Carlos Heinze, deputado Antônio Brito e ministro da Economia Paulo Guedes onde ficou acordado que, como ainda não ocorreu a publicação da Medida Provisória anunciada em maio que destina R$ 2 bilhões para a rede brasileira, haverá a continuidade da tramitação de projeto de lei do senador Heinze, com pedido de urgência, reduzindo o valor original do PL de R$ 3,4 bilhões para R$ 2 bilhões a fim de contemplar a demanda das entidades.  

O resultado da reunião foi considerado positivo pelos representantes das instituições hospitalares, que tiveram suas demandas recebidas pelos parlamentares. Este respaldo financeiro é imprescindível para a sustentação da estrutura de assistência à saúde e continuidade dos atendimentos, devido ao impacto financeiro ocasionado pelo enfrentamento ao coronavírus e aumento dos preços dos insumos utilizados.  

Informações: CMB e Federação RS 

Gostou? Compartilhe