Campanha mostra como investir no programa Tesouro Direto

Lançada nesta segunda-feira (12), campanha visa popularizar o programa, criado em 2002, que comercializa títulos públicos para pessoas físicas

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Com o tema “Tesouro Direto – quem conhece, investe”, teve início nesta segunda-feira a campanha que tem como objetivo promover o conhecimento das pessoas sobre um dos principais programas de investimento em títulos públicos do País. 

Umas das peças produzidas é um vídeo explicativo, que apresenta o programa e ensina investidores a aplicar seus recursos na operação. Também foram criados um banner eletrônico para a internet -  visando divulgar o tema da ação – e uma página especial sobre a iniciativa.

O programa Tesouro Direto é uma iniciativa do Tesouro Nacional, em parceria com a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia – CBLC (Central de Custódia da BM&FBovespa), e podem participar todos aqueles que possuam Cadastro de Pessoa Física (CPF) e estejam cadastrados em alguma das instituições financeiras, corretoras ou bancos (os chamados Agentes de Custódias) habilitados a operar no Tesouro Direto. Em 2012, o programa ultrapassou a marca de 300 mil investidores.

O governo emite títulos públicos com o objetivo de arrecadar recursos e, em troca, o investidor recebe sua aplicação com adicional, que varia de acordo com taxas de juros, índices de inflação, câmbio ou uma taxa fixa, definida antecipadamente.

Como investir

A compra e venda de títulos públicos pode ser feita pelo próprio investidor ou por um Agente de Custódia autorizado. As operações podem ser feitas no site do Tesouro ou no site de instituição financeira que tenha seu site integrado ao site do programa.

Em 2012, o Tesouro Direto anunciou medidas para incentivar os investimentos: valor mínimo por aplicação em compras agendadas, que antes era de R$ 100, baixou para R$ 30. Já para as compras não agendadas, o limite mínimo de compra de uma unidade de título caiu de 20% para 10%. Além disso, o teto mensal de compras por pessoa física subiu de R$ 400 mil para R$ 1 milhão.

Outro incentivo é a redução da taxa de negociação da BM&FBovespa. A partir da terceira compra realizada pelo agendamento prévio, a porcentagem cai de 0,10% para 0,05%, e caso o cliente opte pelo reinvestimento de seus rendimentos, será isentado desta taxa de negociação.

Os interessados podem autorizar bancos e corretoras a efetuar compras e vendas dos títulos públicos. O site do Tesouro disponibiliza informações sobre esses agentes.

O retorno do investimento dependerá do tipo de título escolhido. Existem títulos prefixados*, (LTN e NTN-F), nos quais o investidor sabe exatamente quanto vai receber na data de vencimento do título já no momento da compra. Há também títulos pós-fixados* (Letras do Tesouro Nacional - LFT, Nota do Tesouro Nacional Série B - NTN-B e NTN-B Principal), com a rentabilidade vinculada a um indexador (a taxa básica de juros, a Selic, ou IPCA, a inflação oficial). 

Saiba Mais sobre o Tesouro Direto

Fonte:
Ministério da Fazenda
Tesouro Direto 

Gostou? Compartilhe