Mistérios dos maias ainda desafiam pesquisadores

Fim do Mundo: Maias dominavam arquitetura, astronomia, matemática e agricultura - para a qual criaram ferramentas que permaneceram em uso até a metade do século XX

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Os maias fazem parte das sociedades indígenas mesoamericanas surgidas aproximadamente 1500 anos a.C. Até hoje muitos mistérios dessa civilização desafiam cientistas. Os escritos deixados por eles só foram parcialmente decifrados, o que dificulta as pesquisas. No entanto, sabe-se que eles tinham muito conhecimento sobre astronomia, um sistema matemático complexo e eficiente, e ainda dominavam a agricultura. As explicações são da professora do curso de História da UPF Rosane Neumann. 

A sociedade maia teve o seu auge durante o chamado período Clássico, entre 250 e 950, quando, segundo os estudos, a população teria ultrapassado 13 milhões de pessoas. Grandes cidades e centros cerimoniais pequenos se espalhavam por toda a planície da península de Yucatã, que abrange o sul do México, Guatemala e quase todo Belize, bem como o oeste de Honduras, em geral, regiões muito secas. Entre 750 e 950 se iniciou um rápido declínio, com o abandono dos centros urbanos e a extinção dessas sociedades. As razões ainda são desconhecidas – especulações apontam para o esgotamento do solo, secas, pressão demográfica ou guerras.

Mistura
A queda dos principais centros mesoamericanos provocou o florescimento de centros cerimoniais secundários ou regionais. A ausência de poder permitiu a infiltração dos chichimecas e toltecas, com as quais a cultura maia acabou se fundindo. Quando os colonizadores europeus chegaram à América, a sociedade maia e sua estrutura social já não existiam mais, e sim, as sociedades surgidas a partir da fusão com outros povos. Daí a dificuldade de estudar os maias, pois os europeus não chegaram a conhecer essa sociedade no seu apogeu, somente as ruínas, e resquícios presentes na cultura maia-tolteca.

Sociedade organizada
A organização política se dava na forma de pequenas cidades-estados independentes, de caráter pacífico e sacerdotal. Isto é, não eram guerreiros conquistadores, embora mantivessem uma elite militar responsável pela defesa e a guerra. A base econômica dos maias era a agricultura, com o cultivo do milho, presente ainda hoje como uma das principais cultivares da nossa agricultura. Como tecnologia de plantio, utilizavam a coivara, a qual predominou no Rio Grande do Sul até metade do século XX, pelo menos.

Comerciantes
Os maias mantiveram estreitas relações comerciais com Teotihuacán e Monte Albán, comercializando produtos como o sal, já que Yucatan era o primeiro produtor deste mineral. Exportavam também têxteis de algodão, cacau, mel, pluma, jade, obsidiana para outras regiões por terra – construíram estradas pavimentadas – ou por mar, via navegação de cabotagem.

Grandes pirâmides
A arquitetura era predominantemente religiosa, com a construção de templos e monumentos, em geral na forma de pirâmides, com variadas dimensões, execução e decoração em pedra talhada. Preocupavam-se mais com o exterior dos edifícios, dando pouca atenção ao interior. Os templos que coroavam as pirâmides, por exemplo, eram pequenos e escuros com cobertura de madeira ou falsa abóboda. Eram politeístas, cultuando vários deuses da natureza (chuva, vento, milho, fogo).

Escrita
Desenvolveram a escrita hieroglífica, baseada em um complexo sistema silábico parcialmente decifrado. Fragmentos de seus registros literários, de cunho religioso e lendas, foram preservados. Também desenvolveram a cerâmica e a escultura em barro. De observatórios astronômicos acompanhavam a trajetória dos planetas e criaram seu calendário. Elaboraram seu próprio sistema matemático com base numérica 20 e dominavam o conceito de zero e o princípio do valor relativo.

Descendentes
A população descendente dos maias permanece ocupando a América Central, marcada por uma mescla cultural. Percebe-se resquícios da cultura maia em suas tradições, lendas e dialetos. A América também tinha grandes civilizações, que eram contemporâneas às civilizações europeias, com uma estrutura política, social, econômica e cultural complexas, praticamente desconhecidas. Para alguns antropólogos, a sociedade maia é a Grécia da América.

Gostou? Compartilhe