OPINIÃO

Fatos - 04/01/2013

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Dívidas
A nova administração de Mato Castelhano começou o mandato com dívidas deixadas pelo prefeito anterior, Solano Canevese. Ele não pagou os servidores em dezembro, cuja folha soma R$ 133 mil. No caixa estavam R$ 49 mil, insuficiente para cobrir a despesa. O prefeito que assumiu no dia 1º, Jorge Agazzi, PDT, determinou a divisão do valor entre os servidores, devendo complementar os salários na próxima semana quando será depositada a parcela do FPM. Outras dívidas também ficaram para a atual administração, mas estas serão pagas posteriormente. Para fazer um levantamento minucioso da situação, o prefeito decretou expediente interno até segunda-feira.

PGM
O advogado Julio César Pacheco assumiu a Procuradoria Geral do município de Mato Castelhano. Até o dia 31 de dezembro ele era o Procurador Adjunto da PGM de Passo Fundo.

Trânsito
Os motoristas estão no paraíso. Os meses de janeiro e fevereiro são os melhores para dirigir em qualquer cidade, inclusive Passo Fundo. Ir de uma ponta a outra da cidade é rapidinho. O trânsito flui e até parece que as sinaleiras estão sincronizadas. Para quem não estava mais acostumado a isso estranha quando chega rápido ao destino.

Deputado
Um grupo de peemedebistas quer mobilizar o diretório local para que Gilberto Capoani seja identificado como parlamentar de Passo Fundo. Capoani tem residência no município, mas sua identidade eleitoral não está aqui. Prova disso foram os pouco mais de dois mil votos feitos aqui na eleição de 2010. O parlamentar está muito mais identificado com a região do Alto Uruguai e, especialmente, Sertão, onde foi prefeito. A mobilização é legítima.

Publicação
As publicações dos primeiros atos oficiais do prefeito Luciano Azevedo contam da edição de hoje de O Nacional. No mesmo edital estão as delegações e competências dos secretários de Administração e de Finanças.

Saúde pública
Não dá mais para se ter olhar discriminatório em relação aos usuários de crack. É uma questão de saúde pública. Pois o governo de São Paulo decidiu e anunciou ontem que passará a fazer internações involuntárias de dependentes, sem a necessidade de consentimento. Se houver uma rede formada para o tratamento, então que o exemplo seja seguido por outros estados.

 

 

Gostou? Compartilhe