Secretaria do Meio Ambiente tenta coibir envenenamento de animais

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Os moradores do bairro Leão XIII enfrentam um grave problema desde o fim de dezembro, cerca de 20 animais, entres cães e gatos, já foram encontrados mortos. A comunidade entrou em contato com a SMAM para averiguar a situação.
O médico veterinário da Pasta, Álvaro Tisot, foi até o bairro para vistoriar a causa da mortes. “Conversando com as pessoas e tendo a descrição do que está acontecendo, chegamos à conclusão de que existiam sinais clínicos de envenenamento”, explicou.

De tal forma, foi detectada a presença de venenos a base de estricnina  e chumbinho, ambos com a comercialização proibida, devido ao alto índice de intoxicação. Porém, os compostos são conhecidos no mercado ilegal e as fórmulas mais comuns para vitimar os animais.

Investigação
O veterinário da SMAM alertou que a situação do bairro Leão XIII enquadra-se em crime ambiental e também em contrabando de produtos proibidos.
“Entramos com um boletim de ocorrência junto à Polícia Civil, além de ser um crime ambiental, o problema também aponta para o contrabando dos venenos que são proibidos no Brasil. Pode estar havendo contrabando destes produtos”, ressaltou Tisot.
A orientação passada para os moradores do bairro foi de precaução e cuidado, principalmente com as crianças. “Orientamos que os adultos cuidem para que as crianças não peguem nada estranho da rua ou no pátio”, frisou o veterinário.
Quanto aos animais, os donos devem ter um cuidado redobrado e, se possível, ficar alerta se há resquícios de veneno pelas redondezas, principalmente pela quantidade de cães de rua do município.

Gostou? Compartilhe