OPINIÃO

Fatos 29.06.2017

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Desarticulação

Indiscutível que ações em favor de Passo Fundo e região são elogiáveis sob todos os aspectos. Mas, no caso da famigerada obra de ampliação do Aeroporto Lauro Kortz tem alguma coisa que não está funcionando. Não é falta de ação, mas excesso de ações desarticuladas. Nós temos, pelo menos, quatro movimentos independentes na busca por agilizar o projeto: um deles através da comissão especial da Câmara de Vereadores, outros dois de iniciativa dos deputados Juliano Roso, PCdoB, e Gilmar Sossella, PDT, e um quarto através do Executivo nas figuras do prefeito Luciano Azevedo, PSB, e do secretário de Desenvolvimento Carlos Eduardo Lopes da Silva. Não é uma crítica em relação a estas ações, pois como disse são todas bem-vindas. É uma questão de lógica. Unir forças dá um peso muito maior a causa, do que movimentos isolados que podem dispersar o real objetivo. Seria, no mínimo, demonstrar que a cidade está organizada.

Visão

Analisem do ponto de vista de quem é responsável pela gestão do projeto: um dia ele recebe o prefeito, no outro ele recebe a comissão da Câmara e lá adiante ele passa informações para os deputados. Cada um conta a história sob o seu ponto de vista. Agora, imaginem com quem tem a responsabilidade de dar as informações?

Reflexão

Essa ideia de unificar forças não é uma novidade. A colunista já se debruçou em outras ocasiões a respeito do mesmo tema. Também não é exclusiva. Há duas semanas, o diretor da Imed, Eduardo Capellari, no artigo que assina para O Nacional, fez algumas provocações a respeito, as quais reproduzo parcialmente: “Passo Fundo é a décima economia do RS, centro político, de comércio e de prestação de serviços de toda a região norte do Estado (...) Mas, como um inconformista à la Adam Grant, para onde vamos? Por que não nos mobilizamos coletivamente para extrair da base instalada todo seu potencial? Por que não resolvemos problemas históricos, como o aeroporto, por exemplo (porta de entrada e saída de todos aqueles que queiram realizar negócios na cidade)?” De parte desta jornalista, eis uma forma de contribuir coletivamente para uma reflexão. Sem melindres, por favor!

Foi dito!

“Se necessário, vamos aumentar impostos”, diz Henrique Meirelles.

“Se Gilmar Mendes se aposentar hoje, amanhã abre um escritório e passa a defender causas de Michel Temer”. Dito por um jurista.

Defesa

PMDB gaúcho meio paralisado com a forma com que o deputado federal Darcisio Perondi tem defendido Michel Temer. Alguns vêem exagero na dose.

Gostou? Compartilhe