OPINIÃO

Fatos 25.05.2019

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Prospecção
Faltando quase um ano e meio para as eleições de 2020, os pré-candidatos se movimentam em busca de apoios. Nos partidos de oposição, sobram pretendentes, que não descartam unir-se a siglas que integram o governo, mesmo que isso signifique incoerência. Como aliar-se a integrantes de um governo e falar mal dele? O prefeito Luciano Azevedo observa e só deve se manifestar a respeito no início do próximo ano. Interlocutores já ouviram do prefeito que o governo pode ter mais de um candidato. A base é grande e é possível que dois nomes defendam o legado dos últimos anos. Quem flerta com a oposição, não terá o apoio do governo municipal. Essa, por enquanto, é a única certeza. São nomes cotados para uma possível candidatura a prefeito e que integram partidos da base aliada do prefeito, o vereador Patric Cavalcanti, DEM; o presidente do PSDB municipal Lucas Cidade, PSDB; o vice-prefeito João Pedro Nunes, MDB.

 

João Pedro
João Pedro Nunes mantém discrição em relação a uma possível candidatura em 2020. Além de cultivar amizade de longo tempo com o prefeito Luciano, é um fiel escudeiro da gestão da qual faz parte. A decisão de se tornar candidato não será das mais fáceis. Mesmo que de leve, João Pedro sente a pressão interna do partido para alçar vôos maiores. Por enquanto prefere consolidar uma base e tocar o trabalho como vice-prefeito. João Pedro é forte candidato para ser um dos nomes na campanha do próximo ano a defender o legado da atual administração.

 

Introspecção política
O ex-deputado federal Beto Albuquerque, que na eleição para o Senado alcançou mais de 1,7 milhão de votos, divide compromissos com o escritório de advocacia que mantém em Porto Alegre, com a vice-presidência nacional do PSB e com a campanha pela doação de medula óssea, através do Instituto Pietro. Também trabalha em campanhas para doação de sangue e doação de órgãos. Sempre ativo nas redes sociais, tem dedicado maior espaço no ativismo para salvar vidas.

 

Farmácia Solidária
Uma ideia simples e de um valor social e ambiental imensurável, mas que também, pode gerar economia aos cofres públicos. A deputada estadual Fran Somensi, PRB, quer levara para todo o Estado uma experiência que implantou na sua cidade natal, Farroupilha: a Farmácia Solidária. O projeto consiste na doação de medicamentos dentro da validade que não são mais usados por determinada pessoa. Esse medicamento passa por uma triagem técnica que avalia lote e validade e é destinado á rede pública para ser doado, mediante o receituário médico, para outro paciente que necessitar. A medida representou uma economia de R$ 1,4 milhão à prefeitura de Farroupilha. No mesmo projeto, há coleta de medicamentos vencidos para que eles tenham o destino correto, sem que sejam descartados no meio ambiente causando danos.

 

Experiência
A deputada esteve na sexta-feira em Passo Fundo e disse estar bastante otimista com o andamento do projeto da Farmácia Solidária na Assembleia. O projeto já recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça, um indicativo de que pode ser aprovada em plenário. Fran é farmacêutica, primeira-dama de Farroupilha e implantou, na gestão do marido, Claiton Gonçalves, a campanha da política reversa dos medicamentos, denominada de Farmácia Solidária.

Caged I
O Saldo de emprego formal foi positivo em 129.601 vagas em abril, segundo o Caged. Os dados mostram a criação líquida de 5.422 empregos com contrato intermitente em abril. De acordo com os dados do Ministério da Economia, o emprego intermitente registrou admissão total de 9.972 trabalhadores em abril, ao mesmo tempo em que houve 4.550 demissões.  Houve ainda a abertura de outras 2.827 vagas pelo sistema de jornada parcial. As duas novas modalidades foram criadas pela Reforma Trabalhista. O Caged informou ainda que houve 17.513 desligamentos por acordo no mês de abril.

 

Caged II
O salário médio de admissão nos empregos com carteira assinada teve queda real de 1,32% em abril de 2019 ante o mesmo mês de 2018, para R$ 1.584,51. Na comparação com março, houve alta de 0,45%, informou nesta sexta-feira, 24, o Ministério da Economia.  O maior salário médio de admissão em abril ocorreu na atividade extrativa mineral, com R$ 2.432,65, puxado pelos salários da Petrobras. Já o menor salário médio de admissão foi registrado na agropecuária, com R$ 1.327,02. (AE)

Gostou? Compartilhe