OPINIÃO

Fatos 07.06.2019

Por
· 3 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Apoio gaúcho
Prefeitos gaúchos querem unificar as eleições. O posicionamento foi apresentado pelo presidente da Famurs, prefeito de Garibaldi, Antonio Cettolin, em agenda que cumpre em Brasília, desde o começo da semana. A defesa foi feita durante reunião do conselho político da CNM. Segundo a Famurs, a unificação das eleições tem manifestação unânime dos 497 prefeitos. Eles são favoráveis a proposta que aguarda parecer da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e que altera o calendário eleitoral brasileiro para que sejam realizadas eleições gerais de cinco em cinco anos. Com isso, o atual mandato seria prorrogado por mais dois anos, coincidindo a eleição em 2022. É entendimento dos prefeitos que se a medida for aprovada, vai reduzir custo das eleições e beneficiar a execução de políticas públicas prejudicadas pelas limitações do período eleitoral a cada biênio. Para Cettolin, “além de promover uma economia bilionária aos cofres públicos, unificar as eleições permitiria aos gestores municipais melhores condições de desenvolver políticas públicas, com melhor aproveitamento do tempo e menores limitações da legislação eleitoral. Se a PEC for aprovada, muda completamente a configuração eleitoral que começa a se desenhar com muita antecedência em Passo Fundo.

 

Previdência
Cettolin também defendeu a manutenção dos municípios na reforma da previdência, considerando por ele como fundamental para o futuro. “Sem a inclusão dos municípios na reforma, em pouco tempo os orçamentos municipais vão servir exclusivamente para pagamento de servidores ativos e inativos”, ponderou. Para ele, não aplicar as regras da reforma da previdência fere o princípio da isonomia. “No país, são 2,1 mil municípios com regime próprio que teriam regras diferentes dos 3,4 mil que seguem as normas do INSS, ou seja, como fazer uma reforma que vale para uns e não vale para os outros?”, questionou o presidente.

 

Proposta
O Juiz da 3ª Vara do Trabalho, Marcelo Caon Pereira, deu prazo para que a Semeato analise uma proposta da Justiça para pagamento parcelado do débito junto a ex-fucionários que moveram ações contra a empresa. A proposta garantiria a liberação de alvarás parciais duas vezes por ano até a quitação total dos débitos. Se a empresa aceitar, terá que depositar semestralmente cerca de R$ 6 milhões divididos em parcelas de R$ 500 mil por mês. E também terá que fazer reforços com outros depósitos. Caso a empresa aceite, os leilões de venda do patrimônio serão suspensos, podendo a empresa fazer a venda direta.

 

Central
O secretário estadual de Administração Penitenciária, Cesar Faccioli, que virá a Passo Fundo na segunda-feira para visitar o Presídio Regional, vai aproveitar a ocasião para entregar a nova central de monitoramento do Instituto Penal, onde está alocado o semiaberto.

 

Saúde através das plantas
Enquanto uma rede de supermercados da Suécia boicota produtos brasileiros por conta do uso de agrotóxicos, aqui bem pertinho de Passo Fundo, em Tapejara, uma ideia longe de venenos quer levar saúde para as pessoas. Inaugurado esta semana o Horto Municipal de Plantas Medicinais está localizado ao lado do Hospital Santo Antônio. A iniciativa contou com o conhecimento adquirido em cursos e seminários sobre o tema realizados na UPF. O Horto foi criado por meio da Secretária de Saúde, entre outros setores da Prefeitura e entidades parceiras. O espaço é aberto a toda comunidade e quer estimular a inclusão da fitoterapia como prática de saúde no SUS, amparada pela política nacional de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos e pela política de práticas integrativas e complementares em saúde.

Sobe e desce
A gasolina bateu nos R$ 4,80 em Passo Fundo e esta semana voltou a baixar. Tem posto de combustível ofertando a R$ 4,29 e até abaixo de R$ 3,00 caso o cliente tenha cartão do estabelecimento. O negócio é aproveitar.


Homenagem 
O deputado Vilmar Zanchin, MDB, vai irá homenagear a Associação dos Municípios do Planalto - AMPLA, que completa 10 anos. O deputado entrega a Medalha da 55.ª Legislatura à entidade, no dia 12 de junho, durante grande expediente. “A AMPLA surgiu da necessidade de fortalecer o municipalismo e as pautas das prefeituras da região. Tive a honra de presidir a entidade em 2012, na minha segunda gestão como prefeito de Marau. A entrega da medalha é um reconhecimento ao trabalho sério desta associação, sempre preocupada com a troca de experiências, a cooperação entre os municípios, a qualificação dos gestores e servidores municipais e o assessoramento às prefeituras”, justifica.

Gostou? Compartilhe