OPINIÃO

Teclando

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Loucos de varrer

Há um cheiro de insanidade no ar, provocado pela ira de alguns, interesses de outros e demências bem posicionadas. O problema não seria apenas uma loucura generalizada, mas, sim, a generalização do mal. A história nos mostra isso. Quando Jânio Quadros foi eleito presidente eu tinha apenas quatro anos de idade. Mas os neurônios remanescentes ainda conseguem lembrar a famosa vassourinha, símbolo de sua campanha política. Jânio queria varrer a corrupção. E, nessa vassourada, arrastou votos para eleger-se enquanto a sujeira permaneceu escondida por debaixo dos tapetes palacianos. A vassourinha foi um apelo popular e, assim, sua eleição foi fruto de um populismo. Geralmente, essa prática encurta mandatos. E isso ocorreu com Jânio que, por culpa das forças ocultas, permaneceu no poder por pouco mais de meio ano. O fotógrafo gaúcho Erno Schneider captou Jânio com as pernas tornas, uma imagem que simbolizou aquele que não sabia para que lado seguir. Por causa da vassourinha, sempre pensei que a expressão ‘louco de varrer’ fosse alusiva ao Jânio. Então, quando observo o desconforto no exercício do poder, me lembro da famosa foto do ex-presidente. Nesta mesma linha, também vejo que não faltam loucos de varrer no cenário atual. 

Efeito Dreher

A política é um exercício fundamental da cidadania. Claro, encontramos óbices em muitos aspectos. Alguns aceitáveis, outros deploráveis. A política como elemento da convivência social é ótima. Já a política como suporte aos interesses obscuros é bem diferente. Já vi, ouvi e convivi com muitas situações. Depois da velha política dos anos 1960, sim, do pós-golpe, aguardava por uma evolução. Que decepção. Observo uma preocupante involução. Antes havia cacos na política. Hoje os cacos multiplicam-se e não podemos nos esquecer do famoso slogan do Conhaque Dreher. Seria prenúncio do surgimento de um novo caquedo no cenário? Preparem seus estômagos para as próximas eleições. Além dos monstros de laboratório, ainda teremos os oriundos de duvidosas cepas. Em sua maioria toscos, inexperientes. Se não for uma briga de foice, pelo menos poderá ser divertido. 

Inverno

Inverno é frio. Inverno é chuvoso. Isso faz parte do nosso clima, com estações bem definidas. Depois de um calor fora de época, o inverno chegou e mostrou as suas credenciais. Não há nada de errado com o frio nessa época, mas a maioria reclama quando esfria. Esquecem que o frio também cumpre um papel importante na natureza, até mesmo para o controle de pragas. O ruim, claro, é enfrentar chuva e frio para ir ao trabalho ou à escola. Isso ainda pode piorar caso você pisar numa lajota solta. O frio e a chuva não há como mudar. As lajotas, sim! 

Iracélio

Dizem que o frio aquece o bolso do Iracélio. É tanta correria que o Turcão quase não é visto no Bar Oásis. E quando passa por lá, Iracélio até parece um pregador, pois só fala que “vinho é bíblico e faz bem pro coração”.

Trilha sonora

Há mais de 40 anos, as propagandas do cigarro Luiz XV marcaram pelo bom gosto. O cigarro logo saiu de linha, mas deixou boas músicas na memória. Uma delas com Roberta Flack e Donny Hathaway: The Closer I Get To You
Use o link ou clique
https://bit.ly/1TZ53sW

 

 

Gostou? Compartilhe