OPINIÃO

Fatos 30.11.2019

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Eleição de vereador

A eleição para vereador em 2020 terá uma novidade que já mexe com a mobilização dos partidos políticos. Sem poder fazer coligações na disputa da proporcional, os partidos buscam nomes fortes, com potencial eleitoral suficiente para emplacar seus representantes. Saem em vantagem, partidos tradicionais e candidatos mais conhecidos dos eleitores. Ficam de fora aqueles que se elegem por conta de puxadores de voto dentro de uma aliança. O resultado será uma mudança na relação Legislativo-Executivo, porque os novos vereadores terão o peso do voto pessoal, transformando-se em pequenas lideranças. Na hora da negociação dos futuros prefeitos com as Câmaras, o que estará na mesa é o potencial de votos de cada eleito e não mais a composição partidária que vai formar o Legislativo. A eleição de 2020 será uma espécie de laboratório para 2022. Dependendo de como for, tudo pode mudar até lá.

Fazendo as contas

Os vereadores de Passo Fundo eleitos em 2016 ficaram entre 2,7 mil (1º colocado) e 1 mil votos (último colocado). O quociente eleitoral se manteve quase o mesmo de 2012, 5,2 mil votos. Isso quer dizer que, cada partido terá que alcançar, na soma dos candidatos, 5,2 mil votos para eleger um vereador.  Com as novas regras, os partidos terão de focar no trabalho de grupo e não poderão errar, por exemplo, com a cota das mulheres.

Mulheres

Quem pensar em preencher as vagas só para atender a cota de 30% pode se dar mal. As mulheres devem ter papel de protagonistas nas eleições e jamais se sujeitarem a armadilha de cumprir tabela. A lógica partidária perversa de discriminação de gênero não encontra eco se as mulheres se negarem ao papel de coadjuvantes. 

AGV

CDL de Passo Fundo informa que, desde 2010, não faz parte da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas. Está associada, como outras 30 entidades gaúchas, à AGV – Associação Gaúcha para o Desenvolvimento do Varejo. Na sexta-feira, a Polícia Civil realizou uma operação de busca e apreensão em residências e escritórios de dirigentes da FCDL, pela acusação de desvio de R$ 10 milhões, desde 2006. Assim como a CDL de Passo Fundo, outras entidades se afastaram da Federação por discordarem da forma como a mesma estava sendo conduzida.

Total liberdade

Da assessoria do vereador Márcio Patussi, pré-candidato a prefeito pelo PDT, chega a informação de que a direção nacional do partido, “diferentemente de outros, oferece total liberdade aos diretórios locais para buscar coligações na majoritária, procurando construir políticas afinadas com a realidade local”. Isso, segundo a nota, “através do amplo diálogo e do debate com partidos que estejam alinhados com um projeto de cidade”. O PDT conversa com várias agremiações, entre elas o PSDB.

Filiação

A executiva municipal do PSL realiza no dia 8 de dezembro, feriado da padroeira da cidade, Nossa Senhora da Conceição, um evento para marcar a posse dos membros da executiva e formalizar a filiação de Rodinei Candeia, já definido como pré-candidato a prefeitura em 2020.

E o nome?

O procurador do município Adolfo Freitas guarda algumas características que são valorizadas pelo prefeito Luciano Azevedo. Entre elas, o fato de conhecer o funcionamento da Administração como ninguém e o tom conciliador que lhe é peculiar, herança do pai João Freitas (in memorian) .  O nome ganhou força nos últimos dias nas rodas de conversa.

 

Gostou? Compartilhe