Passo Fundo gera 114 mil kg de resíduos de construção civil por dia

Estudo aponta que a geração média de uma pessoa é de 0,8 kg diários

Por
· 1 min de leitura
Segundo o estudo, 98% das obras ainda utilizam métodos tradicionaisSegundo o estudo, 98% das obras ainda utilizam métodos tradicionais
Segundo o estudo, 98% das obras ainda utilizam métodos tradicionais
Você prefere ouvir essa matéria?

Se cada habitante gera entre 0,5 a 1,0 kg/dia de material residual, e considerando a proporção 0,8 kg na relação individual diária, multiplicando os números pela população estimada de 180 mil, o resultado é 114 mil kg de resíduos provenientes da construção civil a cada dia, em Passo Fundo.

Os cálculos foram apresentados pelo professor do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da IMED, Rodrigo de Almeida Silva, como contribuição à linha de pesquisa “Desenvolvimento de produtos e tecnologias de processos para a construção”. “É importante salientar que a construção civil, talvez, seja a área que mais consome recursos naturais no mundo. Na nossa região, o agregado miúdo, que é a areia, é escasso e não é permitido áreas de extração”, justifica ele sobre o potencial de realização de pesquisas voltadas a buscar soluções para desenvolver produtos e processos de reutilização de resíduos na fabricação de novos materiais, para ser incorporados na própria construção civil. “Atualmente muitos resíduos industriais têm sido avaliados como materiais de construção em substituição aos materiais naturais, contudo não em sintonia com as determinações dos órgãos ambientais. Como resultados tem se desenvolvido trabalhos que somente atendem aos fins acadêmicos, sem impacto sobre o reaproveitamento em grande escala dos materiais industriais, como exemplo uma cidade que produzi 1.000m³ de água por hora, produz cerca de 130 toneladas de lodo seco por ano e que atualmente tem destino incerto, e que poderiam ser utilizados para a produção de materiais construtivos” comenta o professor.


A pesquisa
Dentro dessa linha de investigação, o docente estuda a transformação de resíduos que não atendem as normativas técnicas ambientais para utilização em materiais construtivos. “O RCD [Resíduos da Construção e Demolição] é importante pela quantidade que é gerado e pela importância econômica que traz para o setor da construção civil”, pondera o engenheiro civil. A simbiose industrial, como afirmou ele, é aplicada onde o resíduo de uma indústria é produzido de modo que pode servir como matéria-prima de outro. “Acredito que, sim, seja possível transformar os insumos de modo que atenda as questões, tecnológicas e ambiental”, avalia o pesquisador.

De acordo com o estudo, no país, as técnicas construtivas utilizam procedimentos com baixa eficiência construtiva, além de não proporcionar o conforto básico e a durabilidade aos usuários. Enquanto em outros países do mundo a tecnologia é poderosa aliada em construções com elevado nível de conforto e durabilidade, no Brasil, 98% das obras ainda utilizam métodos tradicionais por uma questão cultural e por falta de informação.

Gostou? Compartilhe