Oportunidade para colocar a leitura em dia

Acervo municipal disponibiliza 96 mil obras literárias. Retirada de livros é gratuita.

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Se, com o início do ano, a cidade entrou em modo férias, as prateleiras escalonadas da Biblioteca Pública Municipal Arno Viuniski são uma alternativa para os passo-fundenses que incluíram na lista de promessas de Ano Novo a retomada, manutenção ou início de uma rotina de leitura. Com um acervo de 96 mil títulos, os munícipes podem se aventurar em universos ficcionais e biográficos com a retirada gratuita dos exemplares.
Lado a lado, clássicos das literaturas brasileira e estrangeira compartilham espaço com novos autores, como o poeta cordelista, Bráulio Bessa, nos escritos "Poesia com Rapadura". Sem juízo de valor sobre erudição, os títulos "mais pop", classificados assim pela coordenadora da Biblioteca Municipal, Vanessa Hickmann, entram na fila de busca de jovens e adultos cadastrados no sistema de retirada de livros. "A gente entende que a biblioteca é um espaço de formação dos leitores", observa. "Além do Bráulio, temos outros exemplares lançados no ano passado e títulos mais populares, como Nicholas Sparks, Nora Roberts e os livros Game of Thrones", cita.
Na vastidão das palavras, o trânsito de leitores que buscam a formação intelectual nas páginas físicas contam, agora, com um sistema eletrônico de renovação, reserva de material e sugestão de leitura através do sistema Gnuteca da Prefeitura Municipal de Passo Fundo. "Das milhares de obras que disponibilizamos, é baixo o percentual das que não voltam. Não chega a 200 títulos, o que consideramos dentro da normalidade para os acervos públicos", analisa Vanessa.
Um multiverso em expansão
As histórias, no entanto, não ficam retidas apenas no interior do prédio construído na rua Morom. Através de projetos direcionados aos estudantes da rede pública e privada de ensino, a palavra se faz viva na voz de cinco estagiários dos cursos de licenciatura em contações de histórias e bate papos à crianças e adolescentes, e na curadoria de oito professores efetivos que atuam no espaço literário. "A biblioteca é dinâmica e não apenas um espaço onde os livros estão parados", pontua a coordenadora. "Só na contação de histórias, nós recebemos cerca de 200 crianças por semana", menciona ainda. "Reforçamos o trabalho das Estações de Leitura [integrantes da Jornada Nacional de Literatura] pelo projeto "Sacola Literária", onde os professores levam as obras às escolas, e uma caça ao tesouro para os estudantes conhecerem o Complexo Cultural Roseli Doleski Pretto", explica Vanessa.
No primeiro semestre deste novo ano, os bebês serão incluídos na formação literária. Isso porque, conforme revelou ela, os agentes de leitura deverão incluir os pequenos de 0 a 1 ano na rotina narrativa ao lado de suas figuras maternas. "Estamos pensando em ambientar o espaço para a estimulação precoce e para ressaltar a importância de contar histórias porque se ele for estimulado desde criança, será um potencial leitor", disse. Em março, mês alusivo ao Dia Internacional da Mulher, a pauta se volta à ciranda feminina em discussões da obra "Mulheres que Correm com os Lobos", da autora Clarissa Pinkola Estés em um trabalho de estudo e "construção do ser mulher", a partir dos mitos e da psique, como detalhou Vanessa. "Passo Fundo tem o título de Capital Nacional da Literatura porque, entre outras coisas, a formação de leitores ocorre durante o ano todo", observou.


Em horário especial de funcionamento no mês de janeiro, a Biblioteca Municipal abre de segunda a sexta-feira das 8h às 12h, e à tarde, das 13h às 17h, na Rua Morom, nº 2019. O cadastro para retirada de livro é feito presencialmente com a carteira de identidade, RG, comprovante de residência e três números de telefone úteis, caso seja necessário contatar para a devolução do material.

 

Gostou? Compartilhe