Famílias da Ocupação 4 protestam por moradia

Pelo direito à moradia, eles fecharam a BR 285 nos dois sentidos, próximo ao trevo do bairro Zachia

Por
· 1 min de leitura
O fluxo de veículo ficou interrompido nos dois sentidos durante toda a tarde. Foto: Luciano Breitkreitz/ONO fluxo de veículo ficou interrompido nos dois sentidos durante toda a tarde. Foto: Luciano Breitkreitz/ON
O fluxo de veículo ficou interrompido nos dois sentidos durante toda a tarde. Foto: Luciano Breitkreitz/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Dezenas de moradores da Ocupação 4 do bairro Zachia se mobilizaram, na tarde desta segunda-feira (2), para reivindicar o direito à moradia. Eles interromperam a BR 285 durante toda a tarde, deixando passar o fluxo de veículos somente a cada meia hora.

O grupo de manifestantes era formado, em grande, parte por mulheres, crianças e idosos.

Um dos manifestantes, Alan Diego Martins Pinto, diz que é morador do local há quatro anos e que chegou ao conhecimento dos moradores que uma liminar expedida no mês de julho dava o direito à reintegração de posse da área onde eles vivem. Segundo ele, a qualquer momento o poder público pode ir até a ocupação para remoção das casas.

“Estamos nos posicionando porque queremos o que é nosso por direito. Queremos uma moradia, não estamos nos negando a pagar nossos impostos, pagar água ou luz”, disse ele.

O morador esclarece que em caso de reintegração de posse, e de retirada das casa, aproximadamente 600 famílias, algumas que vivem no local há oito anos, não teriam para onde ir. “Se caso vierem derrubar as nossas casas, para onde nós vamos? Onde vão as crianças e os idosos que vivem na ocupação? Vão ir se instalar no colégio, ou no ginásio do bairro?”, questionou ele.

Alan divulgou um levantamento feito pelos moradores, que 30% dos pais de família que vivem na ocupação perderam seu emprego durante a pandemia. E que muitos deles estão conseguindo se manter com doações, ou com o auxilio de entidades, como as igrejas.

Ele destacou que não há previsão do protesto encerrar, já que eles aguardam um posicionamento do poder público em relação a esta questão.

Gostou? Compartilhe