Passo Fundo registra melhor saldo do ano na geração de empregos

Município criou 884 novos vagas de trabalho durante o mês de novembro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Por
· 2 min de leitura
(Foto: Agência Brasília)(Foto: Agência Brasília)
(Foto: Agência Brasília)
Você prefere ouvir essa matéria?

O número de contratações com carteira assinada foi superior ao de demissões, pelo quarto mês consecutivo, em Passo Fundo. De acordo com novos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), durante o mês de novembro, o município criou 884 novos postos de trabalho. Foram registradas 2.602 admissões, contra 1.718 desligamentos. O índice é o melhor do ano até então, superando o saldo de fevereiro, quando foram criadas 806 vagas de emprego.

O salto na geração de empregos fez com que o município recuperasse, também, o saldo positivo no acumulado do ano, com reserva de 82 vagas. Isto não era observado desde o mês de abril, quando o município passou pelo período mais crítico em termos de empregabilidade, devido à pandemia, fechando -1.848 postos de trabalho. “Agora, em novembro, nós voltamos ao número de carteiras assinadas que tínhamos antes da pandemia, com estoque de 58 mil empregos”, observa o coordenador da agência local do FGTAS/Sine, Sérgio Ferrari.

O levantamento mostra que em novembro a maior parte dos trabalhadores admitidos foram mulheres, com 494 contratações. Entre as admissões prevaleceram também trabalhadores com ensino médio completo e idades entre 18 e 24 anos. Na divisão por ramos de atividade, quem mais contratou foi o setor do Comércio, com saldo de 468 novas contratações, à frente da área de Serviços, que assinou 247 novas carteiras de trabalho. A Indústria aparece em seguida, com 139 admissões. Em quarto lugar, gerando 31 novas vagas, está a Construção. O único setor com saldo negativo no município é o agropecuário, que fechou um posto de trabalho no último mês.


Recuperação econômica

Os dados indicam que o município, a exemplo do país, tem conseguido reaquecer a economia. Enquanto os meses de março a julho foram os mais críticos, com consecutivos saldos negativos na geração de empregos, a partir do mês de agosto o índice passou a ser positivo e tem se mantido assim desde então, aumentado de forma gradual. No oitavo mês do ano, foram abertas 109 vagas de trabalho. Em setembro, 271. No mês seguinte, o saldo avançou para 635, alcançando o patamar de 844 em novembro.

Para Ferrari, a tendência é de que Passo Fundo feche o ano com saldo positivo pelo quarto ano consecutivo. “O cenário já está muito positivo e surpreendeu tanto a nível municipal, quanto nacional. Veremos como será de janeiro adiante, com o fim do auxílio emergencial e do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda do governo federal, mas acredito que o crescimento continuará. As coisas estão acontecendo em Passo Fundo, estabelecimentos estão abrindo e o município tem recebido novos investimentos. Tenho uma visão bem positiva quanto ao cenário local”, prospecta.


Brasil volta a apresentar saldo positivo

Conforme os novos dados do Caged, o Brasil criou 414.556 vagas de emprego em novembro. O número é o melhor da série histórica da pesquisa, iniciada em 1992, e o quinto saldo positivo registrado de forma consecutiva em 2020. Diante da sequência de dados positivos, assim como em Passo Fundo, a nível nacional o saldo acumulado neste ano também ficou positivo pela primeira vez e chegou a 227.025 postos de trabalho criados ao longo de 2020.

O desempenho no ano foi motivado especialmente pelo programa do governo que permitiu a suspensão de contratos de trabalho e a redução de salários e jornada, medida que, segundo especialistas, evitou um número maior de demissões. Ao avaliar os dados, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o fato dos setores de comércio e serviços, os mais atingidos pela pandemia, com 179.261 e 179.077 postos respectivamente, terem sido destaques na geração de emprego, significa o Brasil apresenta uma “retomada em V da economia”.



Gostou? Compartilhe