CAMPO: Chuva chega na hora certa para cultura da soja

Nos últimos 40 dias, média variou entre 180 e 350 mm na região

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Após período estiagem, o ano de 2021 começou com uma expectativa positiva para os produtores rurais da região norte do Rio Grande do Sul. Segundo o  gerente regional da Emater/RS-Ascar Passo Fundo, Oriberto Adami, os altos índices pluviométricos registrados desde o mês de dezembro, mas especialmente em janeiro, nos 42 municípios pertencentes à região administrativa de Passo Fundo, devem garantir uma safra dentro da média histórica.

Em um período de 40 dias, os índices de chuva variaram entre 180 e 350 milímetros nas cidades da região. Adami destaca que os índices  representaram um impacto positivo, principalmente para a soja. As lavouras apresentam um bom desenvolvimento “A expectativa é de que a produtividade tenha níveis normais na região. Em médica ficam acima de 60 sacas por hectare, porém, em alguns locais, onde há mais investimento em tecnologia, esse número pode aumentar para 80 sacas. No último ano considerado normal, a produtividade ficou em 63 sacas”, explicou ele.

De acordo com o especialista, o  alto índice pluviométrico chegou no momento certo. É neste período que a soja se encontra na floração e formação de vagens, o que demanda um volume maior de água.

 A expectativa é de que os altos índices de chuvas se mantenham nos meses de fevereiro e parte de março. A produtividade, aliada ao preço praticado, trará um impacto econômico importante, ressalta.

 

 “A soja na economia da região, assim como em todo o Rio Grande do Sul, e mesmo no Brasil, tem uma importância muito grande, e por isso, o momento é considerado muito bom”, disse Adami.

 

Abastecimento

Outra preocupação era a falta de água nas propriedades rurais para o consumo animal e até mesmo para o consumo humano. Com exceção de alguns locais isolados, no interior dos municípios de Maximiliano de Almeida e Paim Filho, as chuvas das últimas semanas atingiram em boa quantidade todas as propriedades rurais da região. O volume trouxe  uma recuperação dos mananciais, fontes e vertentes. Muitos açudes também já estão com seus níveis normais e algumas barragens, que tem como característica uma recuperação mais lenta, devem chegar ao nível normal dentro de poucos dias. A chuva também teve um impacto positivo nas pastagens, refletindo na produção leiteira.

“Historicamente o mês de janeiro é menos chuvoso em comparação a outros meses, porém, este ano a situação foi diferente, e isso nos surpreendeu positivamente. A  expectativa é que estes índices de chuva se mantenham” afirmou.

 


Gostou? Compartilhe