Fernández vence Macri na Argentina

Peronismo volta ao poder depois de quatro anos

Por
· 1 min de leitura
Margem da vitória foi menor do que a prevista inicialmenteMargem da vitória foi menor do que a prevista inicialmente
Margem da vitória foi menor do que a prevista inicialmente
Você prefere ouvir essa matéria?

O peronista Alberto Fernández venceu o atual presidente da Argentina por 47% a 40%, uma margem menor do que a prevista nas últimas pesquisas. Ele terá como vice a ex-presidente Cristina Kirchner, que governou a Argentina de 2007 a 2015. A apuração também aponta a derrota de Macri na província de Buenos Aires, com a superação de sua candidata a governadora pelo ex-ministro da Economia de Cristina. Mais de 80% dos eleitores compareceram à votação.

Mauricio Macri, o atual presidente, até o momento tem 40,73% dos votos. Ele, que é da coalizão Juntos por el Cambio, tem como vice Miguel Ángel Pichetto. Na Argentina, para vencer as eleições em primeiro turno, é necessário obter 45% dos votos ou 40% e dez pontos de vantagem em relação ao segundo colocado.

Mauricio Macri, que assumiu em 2015, deixa um país com uma grave crise econômica e social; com inflação este ano prevista para 55%; 30% das pessoas vivendo na pobreza e os sem-teto representando quase 10% da população.

Além de presidente e vice-presidente, serão eleitos 130 deputados e 24 senadores. Também serão escolhidos governadores das províncias de Buenos Aires, Catamarca e La Rioja, além de prefeitos de várias cidades. O novo governante assume dia 10 de dezembro. O mandato presidencial é de 4 anos e é permitida apenas uma reeleição.

Quem é

Alberto Fernández participou do governo de Néstor Kirchner, entre 2003 e 2007, como chefe do Gabinete de Ministros, e continuou no primeiro governo de Cristina Kirchner. No ano seguinte, em 2008, Fernández renunciou em meio a uma crise e se tornou crítico do governo de Cristina. Ano passado, dez anos depois de romperem, houve uma reaproximação entre os dois. Alberto, então, se tornou candidato à presidência, convidado por Cristina para compor a chapa.

Ele é advogado e professor de direito penal e civil argentino, e dá aulas na Facultade de Direito da Universidade de Buenos Aires (UBA).

Gostou? Compartilhe