OPINIÃO

Jaquelina Spinelli

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Ontem foi um dia de se despedir da minha irmã mais nova, Jaquelina Spinelli, que enfrentou bravamente um câncer durante quase dois anos. Um misto de tristeza, revolta e ao mesmo tempo de muita reflexão. Reflexão sobre o verdadeiro sentido da vida e de como devemos ser gratos pela dádiva de ter pessoas especiais como a Jaque em nossas vidas. Minha irmã cuidou dos meus pais por mais de vinte anos e alguns dias depois do falecimento de minha mãe em dezembro de 2018 recebeu o diagnóstico da doença e seis meses de tratamento se despediu do pai. 

Neste tempo minha família demostrou na prática o que nossos pais nos ensinaram, a solidariedade, união e empatia. Jaque recebeu todo o amor, atenção e cuidados que precisava e merecia. A doença foi enfrentada com a ajuda das médicas Julia Pastorello e Nicoli Henn, que com a equipe do Hospital das Clínicas, proporcionou à minha irmã, assim como aos demais pacientes oncológicos daquela instituição, todos os recursos médicos, sem esquecer-se do carinho que o ser humano precisa. 

Um filme me passou na cabeça quando recebi a notícia pelo meu irmão Beto, o mais velho. e figura que representa a unidade de nossa família. Dos tempos da Santa Marta na SOCREBE. nas nossas idas na escola com o José e Giovana e, ainda, da chegada do Betinho em 1979 quando fomos conhecer o irmão na sacada do hospital.

Lembrei-me das idas ao mercadão quando a alegria era ir até o mercado com nossos pais para o rancho e ficávamos na Kombi e apenas um entrava e havia o rodízio todo mês. Quando ficávamos na fila para comer pinhão que o pai abria e batia no cepo, ou da vez que comandei a venda das garrafas do galpão por picolés. Muitas lembranças e boas lembranças da minha comadre e do carinho que tinha pelos sobrinhos e também das vezes que Aninha vinha reclamar que a dinda tinha brigado com ela.

O tempo passou minha irmã, nos despedimos dos avós, tios, pais e amigos. Você foi primeiro ao encontro de todos eles e ficamos com todas as lembranças, saudades e gratidão. Sou grato ao que você nos representou e agradeço por todo o carinho que você teve comigo, mas principalmente pelas lições que passou. 

Na vida a Jaque construiu um grande patrimônio, e entre eles, foi a de cultivar amigos, e na hora da despedida não faltaram pessoas para dizer adeus e obrigado.

Obrigado Jaque, obrigado e se todas as vezes que eu disse que te amava foram insuficientes eu te repito em letras maiúsculas EU TE AMO minha irmã e sempre estará nas minhas orações e lembranças. Para terminar este texto, quero dizer que farei tantos “arroz doce” quantos forem necessários para superar o que você fazia. Mais cremoso, não muito doce e no ponto. Um dia eu consegui e não adiantava você ficar torcendo para eu esquecer a receita. Beijão no teu coração.  


Gostou? Compartilhe