Polícia ainda não identificou homem encontrado morto em Mato Castelhano

Vítima possui diversas tatuagens e investigadores pedem que comunidade busque à Delegacia para reconhecimento

Por
· 1 min de leitura
 Crédito:  Crédito:
Crédito:
Você prefere ouvir essa matéria?

A Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Passo Fundo ainda não identificou a identidade do homem encontrado morto em Mato Castelhano, na manhã de segunda-feira (26). Segundo o chefe de investigações da Delegacia,Volmar Menegon, a linha de investigações ainda foi definida pela complexidade em identificar o corpo. A Delegacia aguarda os exames de perícia com reconhecimento de digitais e toxicológico.

 

De acordo com o Menegon, informações chegaram à Delegacia nesta quarta-feira (28) e estavam sendo apuradas. Ele evitou falar sobre o que foi repassado à investigação porque estava em processo de checagem.

 

O homem aparentava ter entre 23 e 30 anos de idade e não estava desfigurado, mas até à tarde de ontem ninguém havia comparecido À Delegacia para identificar o corpo. A principal suspeita é de que o homem tenha sido executado, devido à proximidade com que os tiros foram disparados.

 

A polícia tem divulgado informações de como estava a vítima, solicitando que busquem à Delegacia. A vítima tem cabelos pretos e encaracolados, possui barba e uma tatuagem de uma cruz na perna. No antebraço esquerdo a vítima tem tatuado três estrelas e um diamante, no antebraço direito está tatuado a frase “Mãe amor eterno” e, nas costas, ele possuía uma tatuagem do símbolo do Internacional com os nomes dos jogadores Fernandão, Taffarel, Figueiroa e D’Alessandro. Na data do crime ele vestia bermuda laranja e camiseta preta.

 

A Delegacia pede para que quem tenha informações entre em contato com a DHPP pelo telefone 197 ou (54) 3313-6255.

 

O caso

 

A vítima foi localizada no interior de Mato Castelhano, em uma estrada vicinal localizada a cerca de 200 metros de BR-285, em direção ao município de Marau. Segundo Menegon, o cadáver apresentava três perfurações na cabeça – duas próximas da orelha e uma abaixo do olho –, causadas por disparos de arma de fogo de baixo calibre. A probabilidade é que o homicídio tenha sido cometido durante a madrugada. A arma utilizada no crime também não foi identificada ainda.

Gostou? Compartilhe