Casal é preso em desdobramento da Operação Caged

A polícia investiga organização criminosa que era comandada de dentro do Presídio Regional de Passo Fundo

Por
· 1 min de leitura
Divulgação / PC Divulgação / PC
Divulgação / PC
Você prefere ouvir essa matéria?

Um casal foi preso na manhã desta segunda-feira (22), por posse de arma com numeração raspada. A prisão aconteceu em um desdobramento da Operação Caged, que investiga uma série de crimes praticados por uma organização comandada de dentro do Presídio Regional de Passo Fundo.

Segundo o delegado Diogo Ferreira, a Draco cumpriu um mandado de busca e apreensão em Passo Fundo, que resultou na prisão em flagrante do casal pelo crime de posse de arma com numeração raspada, pois durante o cumprimento do mandado foi localizado um revólver calibre 38 e 5 munições. O homem estava cumprindo prisão domiciliar com uso de tornozeleira.

A investigação começou em fevereiro de 2020, e desde então, os policiais coletaram provas que indicam a participação de 11 pessoas, investigadas pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e estelionato. Foram identificadas contas bancárias de laranjas utilizadas pelo investigado líder, para lavar o dinheiro dos crimes.

Na última sexta-feira (19), os policiais cumpriram nove mandados de busca e apreensão, bloqueio de contas dos investigados e laranjas, indisponibilidade de quatro imóveis (residências de médio/alto padrão e uma chácara). Foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva e duas prisões em flagrante por tráfico de drogas. Ainda foram apreendidos 150 comprimidos de ecstasy, um quilo de cocaína, com valor aproximado de 50 mil reais, R$ 1.2 mil e U$ 8, duas balanças de precisão, calculadora (todos guardados dentro de uma mochila para facilitar a ocultação e eventual saída para entrega da droga), joias, um veículo Audi, atestados e receitas médicas de uso controlado em branco, com carimbo do médico. Ainda foram apreendidos diversos objetos/equipamentos de esportes radicais avaliados em mais de 100 mil reais.

O delegado destacou que a investigação apontou que os os indivíduos estão associados para a prática do crime de lavagem de dinheiro, sendo que os valores ilícitos circulam por diversas contas a fim de dissimular as movimentações financeiras e afastar qualquer suspeita em relação aos investigados.


Gostou? Compartilhe