PCdoB lança primeira candidatura coletiva de Passo Fundo

Movimento busca dar voz a segmentos que ainda encontram pouca representatividade nos espaços de poder

Por
· 3 min de leitura
Formado exclusivamente por jovens, ?EURoeMovimento Coletivo?EUR? carrega como principal bandeira o enfrentamento ao machismo, racismo e LGBTfobiaFormado exclusivamente por jovens, ?EURoeMovimento Coletivo?EUR? carrega como principal bandeira o enfrentamento ao machismo, racismo e LGBTfobia
Formado exclusivamente por jovens, ?EURoeMovimento Coletivo?EUR? carrega como principal bandeira o enfrentamento ao machismo, racismo e LGBTfobia
Você prefere ouvir essa matéria?

Embora mais da metade da população brasileira seja negra e, no total do eleitorado do país, as mulheres também apareçam em maior número, essas parcelas da população ainda são a minoria nos espaços de poder. Na Câmara de Vereadores de Passo Fundo, por exemplo, em 70 anos, apenas nove vereadoras ocuparam as cadeiras do legislativo. É para dar voz e vez aos segmentos que ainda encontram pouca representatividade na política que, nos últimos meses, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) do Rio Grande do Sul tem incentivado a criação de candidaturas coletivas compostas especialmente por jovens, negros, artistas, mulheres e LGBTs. Em Passo Fundo, a primeira candidatura coletiva da história do município foi lançada pelo partido nesta semana, com foco no protagonismo da juventude.


De acordo com o presidente estadual do PCdoB, o ex-deputado Juliano Roso, o movimento está sendo estimulado nas 46 maiores cidades do Rio Grande do Sul. O apelo do partido é voltado, principalmente, ao público jovem. A intenção é que, em cada uma delas, pelo menos um jovem concorra às eleições municipais. Assim, ainda segundo ele, cria-se uma nova geração de militantes preparados para os futuros embates políticos e engajados na construção de cidades mais democráticas e inclusivas. “Queremos criar representação no Parlamento. Através de candidaturas coletivas, conseguimos aglutinar um conjunto de pessoas que têm interesses em comum e dar visibilidade a essas pautas. Quando eles se apresentam de forma coletiva, têm mais força”, esclarece.


Apesar da proposta de coletividade, a Justiça Eleitoral não permite que um grupo se candidate para o mesmo cargo público. As candidaturas devem ser registradas de forma individual e, por se tratar de um mandato pessoal e intransferível, somente a pessoa eleita pode assinar projetos de lei, decretos, votar e exercer demais atos administrativos privativos para o cargo. A sigla esclarece, porém, que o Tribunal Superior Eleitoral permite aos grupos que se candidatam de forma coletiva – e se elegem – o direito de se organizar internamente para exercer o mandato em grupo. É assim que os jovens que compõem a primeira pré-candidatura coletiva de Passo Fundo, batizada de “Movimento Coletivo”, pretendem se organizar.


Para a presidenta do diretório municipal do PCdoB, Eliana Bortolon, o movimento é uma resposta prática às demandas dos jovens. “Entendemos que um Partido quase centenário, como é o PCdoB, se oxigena e ganha vitalidade permitindo ações pioneiras como é esta candidatura coletiva”, expõe.


Movimento Coletivo


Fomentado a partir das redes sociais desde novembro do ano passado, com a ajuda da União da Juventude Socialista (UJS) de Passo Fundo, a chapa Movimento Coletivo é construída, principalmente, por jovens oriundos de movimentos estudantis que participaram do processo de ocupação das escolas estaduais no ano de 2016. “Começamos convidando lideranças dispostas a participar. Esse grupo foi crescendo e a ideia da candidatura se consolidando. Hoje, temos 23 pessoas inscritas e já estamos recebendo novos contatos pelas redes sociais”, explica uma das militantes do projeto, Helen Ferron, que tem 19 anos de idade.


Ainda de acordo com a estudante, a ideia é construir uma plataforma de reivindicações da juventude para Passo Fundo, definindo através de reuniões as principais bandeiras do grupo, que carrega como mote o questionamento “O que você quer para Passo Fundo? Nós queremos saber!”. “O que já sabemos é que nossas propostas serão focadas em segurança e política de enfrentamento ao machismo, racismo e LGBTfobia. Acreditamos que, de forma coletiva, conseguimos dar voz para diferentes lutas e lutadores. Acreditamos em um mandato democrático, representativo e aberto a receber as demandas de quem precisa.Por isso apostamos em uma candidatura construída por muitas mãosConsidero atrasada a ideia que alguém que fica atrás de uma mesa em seu gabinete sabe, sozinha, o que a população precisa”, resume.


A candidatura coletiva ainda não tem um nome definido para o registro da candidatura e deixa claro que, no momento, essa não é a principal preocupação do grupo. “Essa é uma segunda etapa da construção que estamos fazendo. Neste momento, não estamos preocupados com a representatividade e acúmulo de ideias que estamos buscando. A pessoa que o grupo decidir que nos representará terá compromisso verdadeiro com nossas reivindicações e com o coletivo”, finalizaFerron.

 

Gostou? Compartilhe