Especialistas discutem os avanços no tratamento do câncer de pulmão

Robótica, equipamentos de imagem e novas terapias foram destaques no encontro promovido pelo Hospital Moinhos de Vento

Por
· 1 min de leitura
Especialistas internacionais participaram do evento realizado em Porto AlegreEspecialistas internacionais participaram do evento realizado em Porto Alegre
Especialistas internacionais participaram do evento realizado em Porto Alegre
Você prefere ouvir essa matéria?

Avanços nos tratamentos, diagnósticos mais rápidos e precisos, estudos de combinações medicamentosas e uso da robótica foram discutidos entre sexta e sábado durante o 1° Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão, promovido pelo Hospital Moinhos de Vento. Reunindo especialistas nacionais e internacionais da área, o encontro dividido entre palestras e debates permitiu a atualização de diversos novos manejos da doença pelo mundo durante os dois dias de atividades (17 e 18 de novembro) no Hotel Sheraton.

Entre os palestrantes internacionais, o oncologista do Hospital Johns Hopkins em Baltimore nos EUA, Dr. Patrick Forde, apresentou a Imunoterapia, técnica pesquisada e aplicada de forma pioneira em pacientes portadores de câncer de pulmão pela instituição Norte-americana. Em uma definição bastante simplificada, é um tratamento que faz com que as células de defesa saudáveis ataquem as células cancerígenas,  podendo  ser aplicado em vários tipos de cânceres,  entre eles, o de pulmão. "A imunoterapia  transformou-se em um importante passo com grandes ganhos no tratamento. Atualmente, existem cerca de 800 estudos ao redor do mundo e que trarão avanços importantes contra a doença", destacou Forde.

A cirurgia minimamente invasiva, seja por videotoracoscopia ou por robótica, também foram destaque durante o evento. De acordo com o cirurgião torácico da Universidade de Toronto, no Canadá, Dr. Marcelo Cypel, ambas têm sido muito utilizadas nos últimos anos. "Estas técnicas permitem melhor recuperação e menos dor para os pacientes, além de reduzir o período de hospitalização e a necessidade de medicação para dor, bem como os riscos de acidentes intra-operatórios", disse.

O rastreamento e os novos métodos de diagnóstico foram apontados como de grande importância no avanço do atendimento a pacientes com câncer de pulmão. "Avaliações mais precisas, com imagens mais detalhadas, são fundamentais no manejo da doença, aumentam a probabilidade de um diagnóstico mais precoce e podem reduzir a mortalidade associada a esta doença", indicou o chefe do Serviço de Pneumologia e Cirurgia Torácica do Hospital Moinhos de Vento, Dr. Marcelo Gazzana. Para o médico, o acompanhamento do paciente por uma equipe multidisciplinar, incluindo um profissional exclusivo durante todo processo, por vezes chamado de Patient Navigator, é a prática atualmente recomendada.

O simpósio, que veio na sequência de grandes conferências mundiais sobre Oncologia ocorridas na Europa e no Japão, também trouxe dados alarmantes sobre os índices de câncer de pulmão no Rio Grande do Sul, com a maior proporção de casos no Brasil. Entre os homens, são 48,16 em 100 mil habitantes e entre mulheres, 27,67, conforme dados de 2016 do Instituto Nacional de Câncer (Inca).

Gostou? Compartilhe