Estado orienta hospitais a cancelar cirurgias eletivas devido ao desabastecimento de anestésicos

A SES recebeu relatos de hospitais a respeito da ameaça de desabastecimento

Por
· 1 min de leitura
(Foto: Warley de Andrade/TV Brasil)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Diante do atual cenário de desabastecimento de medicamentos do chamado kit intubação, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) orienta hospitais públicos e privados que utilizam esses anestésicos a cancelarem a realização de cirurgias e procedimentos eletivos por tempo indeterminado. 

Nos últimos dias, a SES recebeu relatos de hospitais a respeito da ameaça de desabastecimento e tomou medidas práticas como o levantamento da demanda por parte das instituições que integram o Plano de Contingência Hospitalar, bem como do estoque existente, e buscou o apoio do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Ministério da Saúde para a solução do problema.

O ministério acenou com uma compra emergencial no mercado nacional, e até mesmo internacional em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), para abastecer os Estados.
Alguns Estados já começaram a receber lotes de medicamentos e a SES acredita que o RS será contemplado em breve.

A secretaria também solicita que hospitais e clínicas públicas e privadas disponibilizem aos hospitais com setores de Emergência e Unidades de Terapia Intensiva seus medicamentos desta categoria em estoque, especialmente sedativos e bloqueadores neuromusculares. Ao mesmo tempo, a SES notifica as distribuidoras de medicamentos do RS para verificarem se há esses sedativos em seus estoques.

A Secretaria destaca que a responsabilidade pelo abastecimento desse tipo de medicamento é dos hospitais. O auxílio neste momento ocorre devido a pandemia.

O órgão também lembra que o acesso ao leito de UTI é uma medida extrema e oritenta a sociedade a adotar as medidas de proteção (como o uso de máscaras e higiene pessoal) e respeitar as normas de distanciamento controlado do governo do Estado para evitar a sobrecarga da rede de hospitalar.


O Estado do Rio Grande do Sul tem hoje (3/7) 2.188 leitos de UTI Adulto SUS e privado, com taxa de ocupação próxima de 70% desde o início da pandemia.

Diante desse cenário, a Central de Regulação de Leitos do Estado está pronta para atender os pacientes e fazer remoções de uma cidade ou região para outra, de acordo com a necessidade e a disponibilidade de vagas em leitos clínicos e de UTI.


Nota e orientações na íntegra.

Gostou? Compartilhe