OPINIÃO

Fatos 15.07.2017

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Emendas como pagamento

A patética comemoração dos deputados substitutos da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, depois de dar vitória ao governo, rejeitando o relatório de Sérgio Zveiter (PMDB), tem uma razão de ser: o governo liberou a bagatela de R$ 134 milhões em emendas parlamentares para que seus ‘apoiadores’ convictos possam fazer uma média nos redutos eleitorais já visando os votinhos de 2018. O levantamento foi feito pela ONG Contas Abertas. Ao todo, 40 deputados votaram a favor de Temer. Segundo a ONG, dos 40 votos a favor de Temer, 36 tiveram empenhos para emendas em junho, logo antes da votação. E olha só que bonito, o deputado que mais teve recursos comprometidos para suas iniciativas por meio de emendas em junho foi Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), relator do parecer contrário à aceitação da denúncia de Temer, o segundo votado pela CCJ. O parlamentar é aliado do governo e teve R$ 5,1 milhões empenhados no mês passado, conforme revelou a ONG. "Trata-se de uma ficção, pois a denúncia não é capaz de responder questões fundamentais", resumiu Abi-Ackel sobre o relatório aprovado. "O presidente recebeu R$ 500 mil, onde, como, no Brasil ou no exterior? Nenhuma resposta há sobre qualquer uma dessas indagações", disse.

Lista

A ONG Contas Abertas revela ainda que na lista dos maiores beneficiados por emendas também está o deputado Beto Mansur (PRB-SP), que contou com empenhos de R$ 5 milhões. Mansur foi colocado na CCJ dois dias antes da votação, em um dos troca-trocas promovidos por Temer.

Livro

O advogado José Mello de Freitas está escrevendo as histórias de sala de audiência, que já estão disponíveis no site do escritório. Muitas devem constar de um livro que ele está organizando. Zeca, como é mais conhecido, está residindo em Nova Prata com a esposa e a filha mais nova, e de segunda a quarta dá expediente no escritório em Passo Fundo.

Bebidas

O fim de semana será importante para medir a absorção da lei que proíbe o consumo de bebidas alcoólicas em via pública. O município já planejou sua ação, que estará concentrada no centro da cidade. O movimento na General Neto e Independência, nos últimos dias, foi bem menor do que o habitual. 

Gostou? Compartilhe