OPINIÃO

Fatos 26.07.2017

Por
· 1 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Bairro a Bairro

Um programa criado pelo prefeito Luciano Azevedo, PSB, no primeiro mandato serve de inspiração para outras administrações. O prefeito de Marau Iura Kurtz, PMDB, batizou a atividade de interiorização da prefeitura. E o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Junior, PSDB, realiza o Prefeitura nos Bairros. O Bairro a Bairro de Passo Fundo recebeu críticas na campanha eleitoral no ano passado, especialmente dos candidatos adversários, pelo que consideravam elevado custo para a administração, já que toda uma estrutura era locada para viabilizar as edições do evento. A crítica foi bem recebida e serviu para reavaliar o programa. O prefeito Luciano decidiu manter o Bairro a Bairro no atual mandato, porém com muitas mudanças. Uma delas, usar a estrutura física de escolas e associações de moradores ao invés de fazer locações.

Insegurança

Decisão de primeira instância da Justiça Federal do DF, cancelando a validade do decreto que aumentou o PIS/Cofins sobre os combustíveis, gera uma confusão na cabeça do consumidor, com reflexos no bolso, especialmente. A medida que determinou a retomada dos preços antigos praticados na bomba, só vale depois que o governo for notificado e deve perdurar, caso seja mantida em instância superior. Em tese, os proprietários dos estabelecimentos aguarda uma solução jurídica, enquanto mantém os preços elevados.

O SUS sucateado

Um dossiê de 15 mil páginas onde constam visitas feitas pelo Conselho Federal de Medicina a 2.936 ambulatórios e postos de saúde distribuídos por todo o país, comprovam que o SUS está sucateado. O documento foi entregue ao Ministério da Saúde. Sem desmerecer o trabalho do Conselho, mas os problemas do Sistema Único de Saúde vem sendo denunciados pela população há muito tempo. Denúncias que já custaram a vida de milhares de pobres brasileiros. É o fundo do poço. O Brasil precisa, definitivamente, ser reinventado.

Mediação

O município terá papel importante na mediação de uma solução entre taxistas e a onda dos aplicativos para transporte individual que chega a Passo Fundo, seguindo uma tendência mundial. Há uma corrente forte da população que apoia integralmente a utilização dos aplicativos, como o Uber, porque já vivencia essa realidade em centros urbanos bem próximos. Não há como evitar. Passo Fundo não é uma ilha e não pode ser colocado numa bolha. A realidade deve ser encarada e que fique bom para todos.

Gostou? Compartilhe